Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Crónicas do Mal de Amor

por Magda L Pais, em 30.01.17

23260920.jpg

Crónicas do Mal de Amor de Elena Ferrante 

ISBN: 9789896414382

Editado em 2014 pela Relógio D'Água

Sinopse

«Ferrante disse que gosta de escrever histórias "em que a escrita é clara, honesta, e em que os factos — os factos da vida normal — prendem extraordinariamente o leitor". Com efeito, a sua prosa possui uma clareza despojada, e é muitas vezes aforística e contida (…). Mas o que os seus primeiros romances têm de electrizante é que, ao acompanhar complacentemente as situações desesperadas das suas personagens, a própria escrita de Ferrante não conhece limites, está ansiosa por levar cada pensamento para diante, até à sua mais radical conclusão, e para trás, até à sua mais radical origem. Isto é sobretudo óbvio na forma destemida como os seus narradores femininos pensam sobre filhos e sobre maternidade.»

Do Prefácio de James Wood

A minha opinião

Estreia absoluta com Elena Ferrante. Depois de tanto ouvir falar na Amiga Genial (que anda por ali na estante à espera de vez) e nos livros da mesma série, a minha estreia acaba por acontecer com este livro que reúne três contos: Um Estranho Amor, Os Dias do Abandono e A Filha Obscura, todos contados na primeira pessoa (Delia, Olga e Leda)

O encanto de Elena Ferrante está na escrita crua, sem arteficios, rude e, muitas vezes, cruel. De uma forma fabulosa, consegue que comecemos por não gostar do narrador mas, aos poucos, vamos entendendo-a e, no fim, acabamos por sentir empatia pelas mulheres que Ferrante retrata. Acima de tudo porque, neste livro, a maternidade não é o sonho cor de rosa e idílico que muitas mães tentam fazer passar.

O mais pesado - e, para mim, o melhor - conto é Os Dias do Abandono. Olga é abandonada pelo marido e acaba por se tornar quase um animal, perdendo todas as referencias familiares e sociais. A leitura deste conto não foi fácil, confesso e, muitas vezes, dei comigo a julgar Olga. 

A Filha Obscura é também a história de uma mãe, Leda, para quem a profissão é tudo e que acaba por abandonar as suas filhas em prol do seu trabalho. Leda assume-se, acima de tudo, como mulher e não como mãe.

Um Estranho Amor foi, talvez, o que estranhei mais e que me fez duvidar da escrita desta autora. Pareceu-me uma história com menos nexo, confusa e sem uma linha mestra (ao contrário das outras duas). A mãe de Delia suicida-se e Delia embarca numa viagem pelo seu passado para entender a mãe e o que a levou ao suicídio.

Apesar de, no geral, ter gostado, não me sinto confortável em recomendar este livro a toda a gente. Creio que o melhor deste livro - a escrita crua e cruel  - pode fazer com que algumas pessoas não o consigam ler com facilidade. Mas que deviam tentar, isso tenho a certeza.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Carreira do Mal

por Magda L Pais, em 18.01.17

a carreira do mal.jpg

A Carreira do Mal de Robert Galbraith 

ISBN: 9789722358866
Editado em 2016 pela Editorial Presença
Lido em 2016
 
Sinopse

Quando recebe um misterioso embrulho, Robin Ellacott fica horrorizada ao descobrir que lá dentro se encontra a perna de uma mulher. O seu chefe, o detetive privado Cormoran Strike, mostra-se menos surpreendido mas está igualmente alarmado. Strike calcula que quatro pessoas do seu passado possam ser os responsáveis ? e sabe que qualquer uma delas é capaz de semelhante brutalidade. Com a polícia concentrada num suspeito que Strike considera não ser o culpado, este e Robin decidem investigar os mundos sombrios e retorcidos dos restantes três suspeitos. No entanto, à medida que se desenrolam mais acontecimentos macabros, o tempo esgota-se… Um enredo intrincado e complexo, repleto de desenvolvimentos inesperados, A Carreira do Mal é também uma história comovente de um homem e de uma mulher que se deparam com uma encruzilhada pessoal e profissional. Não será capaz de largar este livro.

 

A minha opinião

Tal como aconteceu com os outros livros de Robert Galbraith (ou J.K.Rowling), foi num ápice que acabei de o ler, na urgência de saber quem seria o responsável pelo envio da perna a Robin e Strike. Mas não só. Robert Galbraith é mestre a contar histórias e junta, no mesmo livro - sem se perder e sem que os leitores se percam - diversas histórias que nos prendem tanto como a história principal (sendo uma delas o triângulo Matthew-Robin-Strike).

A Carreira do Mal é, talvez, dos três livros da série, o mais pesado, o mais maléfico, o mais intenso e com o tema mais polémico. O melhor, portanto. Os temas abordados não são fáceis e, mesmo que se adivinhe - mais ou menos a meio - quem é o responsável pelos crimes, a verdade é que não conseguimos perceber como pode ser ele, obrigando-nos a explorar as várias opções, a quer acompanhar Strike nas suas investigações. E tememos por Robin.

Um único ponto negativo. O final que nos deixa em suspenso, ansiosos pela saída do próximo volume...

 

Leia aqui as primeiras paginas

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vamos comprar um Poeta

por Magda L Pais, em 09.01.17

29855240.jpg

Vamos Comprar um Poeta de Afonso Cruz

ISBN: 9789722127998

Editado em 2016 pela Editorial Caminho

 

Sinopse

Numa sociedade imaginada, o materialismo controla todos os aspetos das vidas dos seus habitantes. Todas as pessoas têm números em vez de nomes, todos os alimentos são medidos com total exatidão e até os afetos são contabilizados ao grama. E, nesta sociedade, as famílias têm artistas em vez de animais de estimação. A protagonista desta história escolheu ter um poeta e um poeta não sai caro nem suja muito - como acontece com os pintores ou os escultores - mas pode transformar muita coisa. A vida desta menina nunca mais será igual…

Uma história sobre a importância da Poesia, da Criatividade e da Cultura nas nossas vidas, celebrando a beleza das ideias e das ações desinteressadas.

 

A minha opinião

O último livro completo que li em 2016 foi Os livros que devoraram o meu pai e, em 2017, o primeiro que começo e acabo no mesmo ano... é este Vamos comprar um poetaAfonso Cruz a tomar de assalto as minhas leituras e a deixar-me a pensar porque é que não o comecei a ler mais cedo?

Tenho milhas a percorrer antes de dormir.

Oração a repetir sempre, antes de nos deitarmos. Que substituo, por uns tempos, por: tenho que ler tudo o que possa de Afonso Cruz.

Vamos comprar um poeta foi comprado poucas horas antes de findar o ano e foi literalmente devorado em poucas horas. Soube a pouco. A escrita de Afonso Cruz sabe sempre a pouco. Principalmente quando nos fala da importância da poesia, da literatura, na sociedade e no bem que nos faz podermos sonhar. Afonso Cruz torna um pequeno livro (100 páginas) num autêntico monumento à Cultura e numa critica à sociedade materialista em que vivemos.

A ler, a reler e a sonhar. Porque

A cultura não se gasta. Quanto mais se usa, mais se tem

(leia aqui as primeiras páginas)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Jardins da Lua

por Magda L Pais, em 05.01.17

32992314.jpg

Jardins da Lua de Steven Erikson

Saga Império Malazano nº 1

Editado pela Saida de Emergência em Novembro de 2016

ISBN: 9789896376277

Sinopse

O primeiro volume de uma obra-prima que revolucionou a fantasia Épica.

Quebrado pela guerra, o vasto império Malazano ferve de descontentamento. Os Queimadores de Pontes do Sargento Whiskeyjack e Tattersail, a feiticeira sobrevivente, nada mais desejam do que chorar os mortos do cerco de Pale. Mas Darujhistan, a última das Cidades Livres, ainda resiste perante a ambição sem limites da Imperatriz Laseen.

Todavia, parece que o Império não está sozinho neste grande jogo. Sinistras forças das trevas estão a ser reunidas à medida que os próprios deuses se preparam para entrar na contenda…

Concebido e escrito a uma escala panorâmica, Jardins da Lua é uma fantasia épica da mais elevada qualidade, uma aventura cativante da autoria de uma excecional nova voz.

A minha opinião

Quem passa por aqui sabe - ou eu penso que sabe - da minha paixão por livros de fantasia, sendo que Anne Bishop é o crivo pelo qual passam todos os outros autores deste género literário. E, se Brandon Sanderson me deixou a pensar que é possível beliscar a divindade (leia-se Anne Bishop) e se Claire North ou Gregg Hurwitz andam bem perto do podium, confesso que Steven Erikson se afasta um bocadinho do que procuro num livro.

Creio que parte da culpa - minha - estará na parte inicial que se torna um pouco confusa por introduzir, quanto a mim, demasiadas personagens, magias, povos, deuses e situações em simultâneo. Se bem que, garantidamente, também tive culpa porque não consegui ler (por ter estado doente) a primeira parte de seguida. 

No entanto, com o andar da carruagem, a leitura acaba por se tornar agradável e flui com facilidade.

Para os fãs de Guerra dos Tronos, esta é, sem dúvida, uma leitura a fazer. Até porque este é o primeiro livro duma série que terá ainda muitas cartas a dar.

 

(leia aqui um excerto da obra)

Autoria e outros dados (tags, etc)

A minha vida é um livro - em 2016

por Magda L Pais, em 04.01.17

20154491_V4uqr.jpeg

A Mula apresentou-me o desafio A minha vida é um livro! que consiste em construir uma história com os títulos dos livros que li em 2016. Lixei-me! foram 81 e não deve ser fácil conjuga-los. As regras são estas:

20154550_Oa7Ms.jpeg

Estamos pior... quando comecei o post não tinha lido a segunda regra... Mas como não gosto de desistir facilmente, vamos lá a isto. Prontos? eu também... e seja o que os livros quiserem.

Foi com a alma das pedras e a elegância do ouriço que se começou a construir um'a biblioteca das sombras. João, o navegador solitário, punha-se à janela a observar os pássaros, principalmente aquele bando de corvos que era comandado pela rainha vermelha. Mas João também escrevia e, um dia, em conversa com os amigos, fez algumas confissões de um jovem escritor enquanto chegavam ao parque de diversões que iam visitar. Aproveitaram para tirar uma foto junto ao letreiro que dizia Bem-vindos a Joyland. Gostaram do parque de diversões mas quando perceberam que mataram a cotovia, ficaram aborrecidos.

Sara, uma das melhores amigas de João, passou a lua de mel em Paris e conheceu o executor d'o jogo do anjo. Mas o karma é tramado e ataca quando menos se espera. Mais maldito Karma e Wilt, o marido, como lobo solitário que é, foi feit'o prisioneiro do Céu por ter encontrado a pérola mais bonita de que há memória.

João escreveu o último capítulo d'o estranho caso do cão morto e convidou Sara para visitarem a livraria dos finais felizes onde o velho que lia romances de amor lhes falou na escrava que era a companhia predilecta d'o leitor de cadáveres. "era a menina dos meus olhos... e agora, como vou eu viver depois de ti?"

Desafiado por João, o velho, contou-lhe os doze segredos da língua portuguesa que lhe faziam falta para poder escrever o livro sobre os últimos dias dos nossos pais.

Paloma, a contadora de filmes foi visitar a biblioteca que tinha o único Livro dos Baltimore. Este livro tinha sido escrito pel'o escritor-fantasma conhecido por estar sempre furiosamente feliz

A torre de espinhos ia estragando a incrível viagem de Arthur Pepper mas, com a ajuda d'a senhora da magia que usou a sua visão de prata, Arthur conseguiu viajar e foi visitar a Rainha Suprema para pedir clemencia para o prisioneiro da árvore que não soube responder à pergunta fulcral: Para onde vão os guarda-chuvas?

As serviçais arrumaram a moradia onde viviam os pais de João, porque os velhos também querem viver em casas limpas e arrumadas, já que a rapariga-corvo tinha fome de fogo e seguia à risca as Instruções da Pitonisa que, com pura malícia, lhes tentava espetar a lâmina na alma.

Levanta-se a voz da vingança e denuncia o adultério

N'o silêncio do marHarry Potter e a criança amaldiçoada resolvem escrever um conto a partir de uma história verdadeira a que chamam a tragédia da rua das flores

Quando Anne chega ao oceano no fim do caminho descobre que alguém falou sobre os últimos sete meses de Anne Frank mas não se importa porque ouve o rouxinol e fica encantada.

O Lar da Senhora Peregrine para crianças peculiares recebe o Pistoleiro na Cidade sem alma, tornando as horas invisíveis.

A relíquia que João e Sara procuravam desapareceu. Quase que se ouvem os Gritos Silenciosos de ambos e João acaba por sentir que chegou a altura de dizer a Sara que "não sei viver sem ti, és a minha Luz e o que mais quero na vida é ser a tua Shadow". Mas Sara está apaixonada pelo marido, vai-se embora e João começa a chorar, até que chega perto dele um Homem chamado Ove que lhe pergunta pelos seus sonhos proibidos. Depois de João lhe contar tudo, Ove explica-lhe que ele ainda tem uma vida à sua frente para ter o Império Final.

Salva-me duma carreira do mal, pede-lhe João mas Ove tem de se ir embora para falar com Joanne sobre as primeiras quinze vidas de Harry August.

Mas antes de se separarem, falta a luz no restaurante e os funcionários são obrigados a acender velas. A conversa prolonga-se mais do que Ove queria e as velas ardem até ao fim.

Quando saem do restaurante, na sombra da Lua percebem que as flores que se vêem são as sangue-do-coração que, entre outros fins, podem ser usadas para decorar os pratos do Arroz de Palma que era o o terceiro desejo do mercador de sonhos de Lisboa que se perdeu no labirinto dos espíritos enquanto procurava os livros que devoraram o meu pai.

 

Tarefa concluída com sucesso. Não é a melhor história do mundo mas respeita as regras. 

Falta apenas nomear cinco vítimas pessoas e portanto vamos a isto.

 Miss F. A ver se te inspiras para escrever mais que eu gosto de te ter aqui

 Edite, é a minha vingança ahahahaahahha (riso maléfico)

 Maria, uma forma de voltares a escrever e recordares o que leste em 2016

 Just, vamos a isto?

 Marta, conto contigo?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2




Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.