Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



V - Voltarás a ler

por Magda L Pais, em 29.09.17

Estes já apareceram aqui várias vezes... As Brumas de Avalon de Marion Zimmer Bradley. Estão no topo das minhas preferências, são os livros que já li mais vezes e, tenho a certeza, um dia voltarei a ler.

 

***

Por 26 dias, eu, a JustMaria João CovasSofia GonçalvesMulaAlexandraDrama QueenCaracolGorduchitaB♥Sandra.wink.winkFátima BentoHappyCarla B. e Princesa Sofia respondemos a 26 perguntas sobre livros, tendo como mote o alfabeto. Às segundas, quartas e sextas, às 14h, não se esqueçam de cuscar as nossas respostas, em cada um dos blogs. Ou consultem aqui todos os posts publicados no Sapoblogs com esta tag (não consigo colocar aqui as tags da blogspot).

Autoria e outros dados (tags, etc)

U - Último livro que leste

por Magda L Pais, em 27.09.17

alfabeto-literario.jpg

O último livro foi A Súbita Aparição de Hope Arden, um livro de fantasia que me obrigou a algumas reflexões. Sugiro que o leiam

 

***

Por 26 dias, eu, a JustMaria João CovasSofia GonçalvesMulaAlexandraDrama QueenCaracolGorduchitaB♥Sandra.wink.winkFátima BentoHappyCarla B. e Princesa Sofia respondemos a 26 perguntas sobre livros, tendo como mote o alfabeto. Às segundas, quartas e sextas, às 14h, não se esqueçam de cuscar as nossas respostas, em cada um dos blogs. Ou consultem aqui todos os posts publicados no Sapoblogs com esta tag (não consigo colocar aqui as tags da blogspot).

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Bibliotecário

por Magda L Pais, em 27.09.17

21396028.jpg

O Bibliotecário de A.M.Dean

ISBN: 9789897241246

Editado em  2014 pelo Clube do Autor

Sinopse

A antiga Biblioteca de Alexandria, um dos maiores tesouros da História, desapareceu sem deixar rasto.Que mistérios escondia? Qual o verdadeiro poder dos livros da antiguidade?

O Bibliotecário é um romance rico e aliciante, baseado numa pesquisa histórica profunda. A história envolve um dos tesouros da Antiguidade e passa-se numa série de cenários exóticos e marcados pelo mistério, mantendo o suspense até ao último momento.

Arno Holmstrand, um reputado académico, deixa um conjunto de pistas à jovem professora universitária Emily momentos antes de ser assassinado. Esta inicia então uma busca tão inesperada quanto perigosa: a localização da biblioteca perdida de Alexandria. Durante sete séculos, o edifício guardou o maior património cultural e científico da Antiguidade. O mundo julga esse tesouro perdido para todo o sempre, mas as evidências levam Emily a questionar a história…

A minha opinião

E por 404 páginas viajei até ao sonho de qualquer apaixonado por livros - a biblioteca de Alexandria. A actual e a legendária. As lendas e a realidade.

Este é um romance que mistura - na perfeição - factos históricos com ficção e que mostra o quanto é importante (neste género de literatura) que haja uma forte competente de pesquisa por parte do autor (ou da equipa que trabalha com ele).

Com capítulos curtos, a terminarem exactamente no momento em que o suspense é maior, com voltas e reviravoltas que nos levam - a determinada altura - a suspeitar de tudo e de todo, este é um livro que se lê com muita facilidade e com a ânsia de querer saber afinal quem é quem e como vai Emily chegar ao fim.

(tenho de vos confessar que suspeitei várias vezes que o noivo de Emily ou o seu adorado professor estariam envolvidos na conspiração. Adorei o facto de me ter enganado, o que mostra que, neste livro, nem tudo o que parece é)

Claro que este é um estilo que se ama ou odeia. Veja-se Dan Brown ou José Rodrigues dos Santos. A.M.Dean é um escritor do mesmo gabarito, cuja escrita se ama ou odeia. Pela minha parte, faço parte do primeiro grupo.

Neste livro é explorada uma teoria sobre o destino da biblioteca original de Alexandria que me deixou com a pulga atrás da orelha. Será de todo absurdo imaginar que ela nunca desapareceu e que ainda existe? Na realidade não se sabe o que aconteceu, o que permite que possamos imaginar todos os cenários. A.M.Dean explora (como um mestre) esta possibilidade, a de que a biblioteca ainda existe.

Ao mesmo tempo que é explorada essa possibilidade, somos também levados a viajar, no papel, até à actual Biblioteca de Alexandria. A descrição é tão mas tão envolvente que, no final, fiquei apenas com uma questão: quando é que eu a vejo?  

(este livro foi-me oferecido pelo Clube do Autor em troca duma opinião honesta e sincera)

Autoria e outros dados (tags, etc)

D. Maria II - Tudo Por Um Reino

por Magda L Pais, em 26.09.17

13640415.jpg

D Maria II Tudo Por Um Reino de Isabel Stilwell

Editado em 2012 pela A Esfera dos Livros

ISBN: 9789896263690

Lido em 2015

Sinopse
Com apenas 7 anos, Maria da Glória torna-se rainha de Portugal. Um país do outro lado do oceano que nunca havia pisado. A sua infância foi vivida no Brasil, entre o calor e os papagaios coloridos que admirava na companhia dos seus irmãos e da sua adorada mãe, D. Leopoldina. A ensombrar esta felicidade apenas Domitília, a amante do seu pai, imperador do Brasil e D. Pedro IV de Portugal. Em 1828 parte rumo a Viena para ser educada na corte dos avós. Para trás deixa a mãe sepultada, os seus adorados irmãos e a marquesa de Aguiar, sua amiga e protectora. Traída pelo seu tio D. Miguel, que se declara rei de Portugal, e a quem estava prometida em casamento, D. Maria acaba por desembarcar em Londres onde conhece Vitória, a herdeira da coroa de Inglaterra a quem ficará para sempre ligada por uma estreita relação de amizade. Aos 15 anos, finda a guerra civil, D. Maria pisa pela primeira vez o solo do seu país. Seria uma boa rainha para aquela gente que a acolhia em festa e uma mulher feliz, mais feliz do que a sua querida mãe. Fracassada a sua união com o tio, agora exilado, casa-se com Augusto de Beauharnais que um ano depois morre de difteria. Maria era teimosa, não desistia assim tão facilmente da sua felicidade e encontra-a junto de D. Fernando de Saxo-Coburgo-Gotha, pai dos seus onze filhos, quatro deles mortos à nascença.
 
A minha opinião
D Maria II é uma das personagens literárias que a Maria gostaria de conhecer, até porque este foi um dos livros que a Maria leu em 2014 que mais gostou e logo ai me deixou curiosa. Depois veio a M.J. que ficou quase escandalizada por nunca ter lido nenhum livro desta autora. Uma pessoa (eu) não é de ferro e pronto, lá veio o livro emprestado pela M.J. numa troca de livros entre as duas.
Em boa hora, aliás, em muito boa hora tal aconteceu!!
Gosto imenso de livros em que, para além do prazer da leitura, aprendo mais alguma coisa. Os romances históricos são, sem dúvida, os mais indicados. E neste caso com a vantagem de aprender mais sobre a nossa própria história que, na escola, é, tantas vezes, relegada para segundo plano.
D Maria II é uma personagem incontornável da nossa história. O Teatro D Maria II e o Palácio da Pena são duas das obras que foram edificadas no seu atribulado reinado, tendo, entre o governo (ou seria mais desgoverno?) do país, conseguiu encontrar tempo para engravidar onze vezes, tendo sobrevivido sete desses filhos.
Foi também pelas mãos de D Maria II e de D Fernando, o marido, que o costume da árvore de Natal e do Pai Natal chegaram a Portugal.
Mas D Maria era também, acima de tudo, uma criança mimada. Uma criança que viu a sua mãe ser quase prisioneira pelo pai - mais interessado nas amantes, principalmente em Domitília - tendo, inclusivamente, ouvido a tareia que o pai deu à mãe e que a levou à morte. Ainda em criança Maria da Glória vê seu pai ter verdadeiros ataques de estupidez (este termo é meu) contra amigos e conhecidos, pondo-os de lado sempre que não lhe faziam a vontade ou que Domitília o envenenava contra eles. Maria, rainha de Portugal aos sete anos, jura então nunca se desfazer dos amigos e a dar o máximo de si a seu marido para que ele nunca tivesse de encontrar o consolo fora de casa.
D Maria II, uma rainha ingénua, ingrata e teimosa, mal educada e aconselhada pelo pai e que nunca aceitou uma critica. D Maria, uma criança num corpo de mulher, ansiosa por agradar ao povo mas sem nunca se preocupar com o que é que o povo realmente queria. Mesmo depois da morte do pai e de estar casada e bem com D Fernando II, nunca aceitou conselhos daqueles que a defenderam quando o seu reino estava entregue aos Miguelistas e ela era uma rainha sem trono, tendo entregue a sua confiança a Costa Cabral que sabia bem como a enganar.
Curioso... a meio de livro e em algumas (muitas) partes relacionadas com a (des)governação do país, achei que estava a ler um relato dos últimos governos. Fiquei a pensar que, afinal, o problema não é de agora, a desgovernação está-nos no sangue.
Adiante.
D Maria II, a mãe e esposa, que nunca aceitou que os seus filhos fossem criados apenas com as amas e que fazia questão de estar com eles, de brincar com eles (nem que, para isso, aparecesse nas reuniões com a roupa suja) e que exigia, dos filhos, educação e que tratassem os outros com respeito e consideração.
A organização do livro está bastante curiosa. Cada capítulo tem uma parte que é a narrativa e outra que é uma carta ou uma parte dum diário. Primeiro da camareira-mor da mãe de D Maria II, depois de Leonor, a mestra que a acompanhou em Londres e, finalmente, Vitória, a sua melhor amiga e rainha de Inglaterra. Esta organização torna o livro ainda mais interessante - se é que tal é possível - porque acabamos por conhecer ainda melhor a época e os conceitos de família.
Sem dúvida que quero ler mais desta autora que acabo de descobrir!

Autoria e outros dados (tags, etc)

T - Três dos teus livros preferidos de sempre

por Magda L Pais, em 25.09.17

Três? como três? quem é que conseguirá escolher apenas 3?.... desculpem mas eu tenho de contornar as regras... 

No topo do topo, ontem, hoje, amanhã, sempre: As Brumas de Avalon de Marion Zimmer Bradley. Não há volta a dar ao texto, já os li e reli várias vezes e a é uma paixão sem fim.

A sombra do vento - Carlos Ruiz Zafón também está no topo. Não sei se em segundo ou terceiro, mas está no podium.

E, por fim (contornar as regras sim, mas não exageremos) A trilogia O Século de Ken Follett.

Mas muitos mais poderiam ser aqui mencionados. O Asteca - Gary JenningsPara onde vão os guarda-chuvas de Afonso Cruz, A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert de Joël Dicker, ou Um Homem Chamado Ove de Fredrik Bakman, são alguns dos exemplos... Mas pronto, eram só 3!

 

***

Por 26 dias, eu, a JustMaria João CovasSofia GonçalvesMulaAlexandraDrama QueenCaracolGorduchitaB♥Sandra.wink.winkFátima BentoHappyCarla B. e Princesa Sofia respondemos a 26 perguntas sobre livros, tendo como mote o alfabeto. Às segundas, quartas e sextas, às 14h, não se esqueçam de cuscar as nossas respostas, em cada um dos blogs. Ou consultem aqui todos os posts publicados no Sapoblogs com esta tag (não consigo colocar aqui as tags da blogspot).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/4




Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.