Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A Partir de Uma História Verdadeira

por Magda L Pais, em 16.08.16

30737657.jpg

A Partir de Uma História Verdadeira de Delphine De Vigan

ISBN: 9789897222993

Editado em 2016 pela Quetzal Editores

Sinopse

A história é contada na primeira pessoa, com Delphine, a narradora, como uma das duas personagens. Todos os nomes são de pessoas reais: o da autora/narradora, o dos filhos, do namorado… A história é aparentemente autobiográfica e, no entanto, torna-se a certa altura um jogo de espelhos, em que é difícil discernir entre realidade e ficção. Nada previsível, cheio de surpresas, com um suspense crescente (chega a ser atemorizante), mantém o leitor literalmente agarrado até ao fim(*). Delphine crê que a sua incapacidade de escrever terá coincidido com a entrada de L. na sua vida. L. é a mulher perfeita que Delphine gostaria de ser: muito bonita, impecavelmente cuidada, de uma grande sofisticação e inteligência. L. está também ligada à escrita - é escritora-fantasma. L. insinua-se lenta mas inexoravelmente na vida de Delphine: lê-lhe os pensamentos, adivinha-lhe os desejos e necessidades, termina-lhe as frases, torna-se totalmente indispensável - é a amiga ideal. Mas, aos poucos, sabemos que ela conseguiu isolar Delphine (afastando toda a gente), que lhe lê os diários, a correspondência, que se faz passar por ela! E quer demover Delphine de escrever o livro que esta está a preparar, obrigando-a a escrever a obra que ela (L.) quer: Introduz-se, assim, na vida da amiga de forma insidiosa, permanente, por fim violenta, controlando tudo. É aqui que há um volte-face na intriga - até aí muito perto do real - e uma possibilidade autobiográfica. O fim é maravilhosamente surpreendente. O seu livro anterior, Rien ne s’oppose à la nuit, em que conta a história da mãe, vendeu cerca de um milhão de exemplares em França e teve vendas na casa das dezenas de milhares em Espanha.

A minha opinião

Desde sempre que digo que a aposta em novos autores compensa. Gosto de sair da minha zona de conforto e experimentar escritores. Habitualmente escolho-os tendo por base as críticas que leio por ai, mas desta vez foi uma recomendação que me foi enviada por email. E, sabem que mais? valeu muito a pena.

Misery traz-nos a história dum escritor cuja fã Annie obriga-o (com recurso a violência física e psicológica) a escrever o livro que ela quer. Neste temos uma situação totalmente oposta. L. consegue que Delphine não escreva mais, com recurso a violência psicológica (e, só mesmo no final, com recurso a alguma violência física) – aliás, como que a preparar-nos para este pensamento, a abertura do livro é esta:

... ele tinha a sensação de ser uma personagem cuja história não era contada com base em acontecimentos verdadeiros mas criada como numa ficção

in Misery de Stephen King

De uma forma brilhante, a autora, leva-nos a conhecer a história de Delphine (curiosamente a personagem principal e, ao mesmo tempo, a narradora, tem o mesmo nome da escritora, levando-nos a supor que poderá haver algum fundo de verdade neste livro) e a forma como foi aliciada por L., que, fascinava Delphine mas também se tornava insubstituível.

Não é, de todo, um livro com voltas e reviravoltas. É antes um livro em que a personagem principal se quer encontrar a ela própria após um período em que alguém tomou conta de si sem que ela se tivesse apercebido. É um thriller psicológico que, logo de início nos deixa antever o que aconteceu, levantando, ao mesmo tempo e, sub-repticiamente, diversas questões que nos deixam a pensar, mesmo depois de o deixarmos, o que o torna ainda melhor.

Com uma escrita deliciosa, encantadora, sem excessos, cativante e com um enredo bem construído donde fazem parte personagens com características bem vincadas, tenho a certeza que esta é uma autora a seguir.

(leia aqui as primeiras páginas)

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

De Edite a 16.08.2016 às 22:05

Olá Magda! 
Então, quantos gambozinos tens agora?
Estava a brincar. Gostei do teu post e espero vir a ler este livro. Como é que achaste o personagem L., tipo amizade tóxica ou mais o género malévola? (Ando um bocado impressionada com as amizades tóxicas, na realidade). 

De Magda L Pais a 17.08.2016 às 14:46

ahahahahaha parece que já vou com 258 mas não sei se isto contabiliza aqueles que eu tirturo :p mas como estive uns dias em casa, a médica escapou-se um bocado 


não sei dizer se é uma amizade tóxica ou malevola. Sem querer ser spolier, diria que é uma amizade estranha e que nos deixa a pensar se é uma coisa ou outra. E mesmo no fim, quando achas que o livro acabou, a última palavra obriga-te a repensar tudo o que se passou

De edite a 17.08.2016 às 17:00

Fiquei interessada, mesmo! Pela descrição parece o género de livros que gosto imenso, daqueles em que no final ficamos a "bater mal da cabeça", percebes? Agora tenho-me de sentar à espera que a vontade de comprar passe, pois tenho cerca de 60 livros na estante que ainda não li. 
Vida difícil 
Beijinhos e boa leituras

De Magda L Pais a 19.08.2016 às 12:26

tens 60?? tomara eu... tomara eu

De sandrasofia a 18.08.2016 às 06:43

Ainda não entendi muito bem o que são gambozinos!! Continuação de boas leituras!! Faz uma visitinha ao meu blogue,sei que vais gostar,feliz mês de Agosto para ti e fica bem!!

De Magda L Pais a 19.08.2016 às 12:26

Gambozinos são os Pokemon do jogo

De sandrasofia a 19.08.2016 às 13:25

Ok ok,agora já entendi!!

Comentar post




Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.