Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A Rapariga no Comboio

por Magda L Pais, em 04.11.15

25459160.jpg

A Rapariga no Comboio de Paula Hawkins

Editado em 2015 pela TopSeller
ISBN: 9789898800541
 
Sinopse
O êxito de vendas mais rápido de sempre.
O livro que vai mudar para sempre o modo como vemos a vida dos outros.
Todos os dias, Rachel apanha o comboio... No caminho para o trabalho, ela observa sempre as mesmas casas durante a sua viagem. Numa das casas ela observa sempre o mesmo casal, ao qual ela atribui nomes e vidas imaginárias. Aos olhos de Rachel, o casal tem uma vida perfeita, quase igual à que ela perdeu recentemente.
Até que um dia...
Rachel assiste a algo errado com o casal... É uma imagem rápida, mas suficiente para a deixar perturbada.
Não querendo guardar segredo do que viu, Rachel fala com a polícia. A partir daqui, ela torna-se parte integrante de uma sucessão vertiginosa de acontecimentos, afectando as vidas de todos os envolvidos.
 
A minha opinião
Maria e Vanita, aqui vai a minha opinião. Tenham medo... tenham muito medo. Foram vocês as grandes culpadas de eu ler este livro e por isso haverá consequências...
Não sou, por norma, pessoa de ler o livro da moda. E confesso que este livro, além de ter sido moda no verão, as opiniões iam do excepcional ao lixo, o que me fazia alguma confusão. Tinha, por isso, previsto não ler o livro, pelo menos nos próximos tempos. Mais tarde, depois da poeira assentar logo leio, pensava eu. Mas depois veio a opinião da Vanita e a seguir a Maria a tentar-me, que até me emprestava o livro e tudo para eu não ser expulsa de casa e pronto, li o livro.
Comecei na segunda-feira e aproveitei a espera ontem enquanto decorriam os bypass coronários do maridão para o acabar.
Rachel viaja, todos os dias, para Londres de comboio. O seu entretêm é observar as pessoas que vivem nas casas, especialmente um casal a quem ela chama de Jason e Jess. Sem que os conheça, Rachel imagina que a vida deles é perfeita. Tal como era a sua com Tom, antes de ele a trair com Anne.
Megan é casada com Scott e é tudo menos a esposa perfeita.
Contado a três vozes e a dois tempos, nem sempre conseguimos saber exactamente o que se passa porque Rachel, a rapariga no comboio, bebe em excesso e não se consegue recordar do que se passou ou do que viu. Recorda-se duma coisa aqui, doutra ali e, acima de tudo, tem a sensação que algo se passou sem saber exactamente o quê.
Confesso que, de início, estranhei o facto de Megan contar a sua versão da história começando uns meses antes da narrativa de Rachel. Mas passando a estranheza inicial, é um livro que se lê bem. Podia, talvez, ter mais "sumo" e, talvez, ser menos previsível. (ou então sou eu que, depois d'A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert de Joël Dicker fiquei mais exigente). Também confesso que acho que chamar este livro de thriller arrepiante é capaz de ser um bocadinho de exagero. Confesso ainda que não senti aquela ânsia de ter de largar o livro mas não querer fazê-lo. Mas esta parte pode ser porque foi o livro perfeito para o dia de ontem - quando me chamaram a avisar que a operação tinha terminado eu tinha acabado de ler a última página.
No geral direi que foi uma excelente leitura e que valeu a pena ler este livro. Recomendo!
 

Autoria e outros dados (tags, etc)


36 comentários

De Fatia Mor a 04.11.2015 às 09:49

Coincidência: aproveitei uma promoção e comprei-o ontem; está a repousar na minha mesa de cabeceira! Normalmente resisto a estes grandes fenómenos de moda, mas confesso que me tem dado alguma curiosidade. Nunca vi críticas negativas, por acaso, mas não me espantaria. Daqui a uns dias já devo ter opinião formada!

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:17

eu li criticas do oito ao oitenta. De excepcional ao muito mau. Mas lá acabei por ler e, não sendo o melhor livro de sempre, acho que se lê bem e que está bem estruturado. Mostra bem que nem tudo o que parece é. Aliás, dada a tua profissão, és capaz de perceber ainda melhor a questão psicológica porque, efectivamente, creio que é mais disso que trata

De Di Art Blogger a 04.11.2015 às 10:17

Ah! Pronto. Tenho de comprar... Não resisto mais.

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:18

vale a pena ler sim. 

De Vanessa a 04.11.2015 às 11:07

Tenho estado à espera da tua opinião sobre esse livro
Parece-me que vou adquirir.

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:18

ahahahahaha olha o peso da responsabilidade carago!

De Vanessa a 04.11.2015 às 16:10

É para veres o quanto confio na tua opinião sobre livros

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 16:22

ui... o peso da responsabilidade... ainda fico marreca

De Maria das Palavras a 04.11.2015 às 11:36

Não é o melhor livro que li este ano e provocou-me mixed feelings, mas de certo modo fez jus à fama e mesmo com altas expetativas não me desiludiu! Ainda bem que gostaste :)

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:20

Gostei sim, não estava à espera do melhor livro do ano dadas as criticas negativas que foi lendo, pelo que não ia com demasiadas expectativas, mas gostei. Podia ter situações mais desenvolvidas mas pronto.
Ainda não foi por causa deste que te vou bater

De Vitória a 04.11.2015 às 11:48

Eu li acho que em Agosto, depois de tanto aconselharem e um pouco farta das recomendações que era muito bom etc.
Pois bem, o livro lê-se bem, mas não justifica o exagero que li por ai.

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:21

exactamente o que eu penso. o livro lê-se bem mas não justifca o exagero que foi por ai

De vanita a 04.11.2015 às 12:18

Tremi da cabeça aos pés e li tudo atabalhoadamente porque esta coisa da responsabilidade é sempre muito complicada. Fico feliz que o saldo final seja positivo. Ai, e vou pensar melhor quando fizer recomendações que isto dá cabo de uma pessoa :)

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:26

ahahahahahahahahhah por esta podes respirar :D sim, gostei mesmo. e foi mesmo a tua critica que me fez decidir precisamente porque não o colocaste nem num pedestral nem no fundo do poço.
Já agora... já leste A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert de Joël Dicker?

De vanita a 04.11.2015 às 15:27

Ainda não, mas já faltou mais. Tenho de ganhar coragem :)

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:29

tens mesmo de ler. Acredita, é excepcional. Ainda não publiquei a critica porque estou à espera que a Miss F e a Azulmar o acabem mas vale mesmo a pena

De vanita a 04.11.2015 às 15:30

Vou pedir para o Natal :)

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:32

boa! pede e depois lê. Vais ver que não te arrependes


(e confesso que tambem estou a gostar muito deste que estou a ler agora - os números que venceram os nomes)

De Miss F a 04.11.2015 às 12:23

Já tinha lido em Junho e gostei muito. Como disse na altura o que gostei mais foi mesmo o fazer-nos pensar que aquilo que vemos na vida dos outros raramente corresponde à verdade. Eu li o livro muito rapidamente (também porque na altura tinha muito tempo livre) e gostei, mesmo apesar de ter adivinhado o final. Cada vez acho mais que o objectivo dela não era surpreender com o final em si mas explorar mais a natureza das pessoas. É um livro que nos mostra que realmente há pessoas com um fundo muito mau.


Contudo, se tivesse lido depois do Quebert também não ficava impressionada 

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:32

ahahahahah, pois, o Quebert estragou este livro :D mas não deixa de ser bastante bom e de leitura bastante acessivel.


A mulher do Quim? a serio? mesmo? ahahahahaahahahahahahahaahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahha

De Miss F a 04.11.2015 às 17:44

É por situações como esta que acho que a nossa opinião sobre os livros depende muito da altura em que os lemos. Não é que se goste menos, mas noutras circunstâncias quiçá tivéssemos gostado mais. 


Eu (de vez em quando) acho que tenho piada e gosto de mudar o nome às coisas. Aquele livro do Harry Potter 'Fantastic Beasts ans Where To Find Them', que já se está a tornar em filme, para mim é 'O Livro das Bichinhas', o nome é tão grande que olha deu nisto ahahah (isto de ter um parafuso a menos é tramaaaado)

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 19:10

ahahahahahahhaha um parafuso? só um? ahahahahhahahah


é um problema real. há livros que marcam. Neste género de reviravolta quase que diria que há um antes e um depois do Quebert

De Miss F a 04.11.2015 às 19:22

Fogo, também não perdoas! São vários em falta e outros descoordenados, mas também ninguém precisa de saber ahahah


É verdade, o senhor Quebert sem dúvida que mudou a forma como vou ler este tipo de livros daqui em diante.

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 19:35

ahahahahah só uma desparafusada para conhecer outra 


O Quebert marcou-nos mesmo, caramba!

De Just_Smile a 04.11.2015 às 13:25

E pronto, fiquei com o bichinho para o ler :)

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:32

não tenho nada a ver com isso...

De Cláudia Oliveira a 04.11.2015 às 14:48

Mau, agora já não sei se leio se não leio. :D

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:32

Lê. não te vais arrepender

De Sofia Silva a 04.11.2015 às 15:16

Boa!! Finalmente a tua opinião, concordo com tudo, gostei muito de ler este livro

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 15:33

eheheheheh sim, é um bom livro. Lê-se muito bem

De Sofia Silva a 04.11.2015 às 17:48

Eu achei o mesmo e fiquei muitooo contente por teres lido um livro da moda 

De Magda L Pais a 04.11.2015 às 19:11

ahahahahahah e eu e a moda que não nos damos nada bem ;)

De Sofia Silva a 05.11.2015 às 10:14

Com A Rapariga no Comboio resultou, porque não experimentar?

Comentar post


Pág. 1/2




Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.