Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O Labirinto dos Espíritos

por Magda L Pais, em 22.12.16

32853127.jpg

O Labirinto dos Espíritos de Carlos Ruiz Zafón

Saga O Cemitério dos Livros Esquecidos - volume IV

Editado pela Editorial Planeta em 2016

ISBN: 9789896578497

 

Sinopse

Na Barcelona de fins dos anos de 1950, Daniel Sempere já não é aquele menino que descobriu um livro que havia de lhe mudar a vida entre os corredores do Cemitério dos Livros Esquecidos. O mistério da morte da mãe, Isabella, abriu-lhe um abismo na alma, do qual a mulher Bea e o fiel amigo Fermín tentam salvá-lo.

Quando Daniel acredita que está a um passo de resolver o enigma, uma conjura muito mais profunda e obscura do que jamais poderia imaginar planta a sua rede das entranhas do Regime. É quando aparece Alicia Gris, uma alma nascida das sombras da guerra, para os conduzir ao coração das trevas e revelar a história secreta da família… embora a um preço terrível.

O Labirinto dos Espíritos é uma história electrizante de paixões, intrigas e aventuras. Através das suas páginas chegaremos ao grande final da saga iniciada com A Sombra do Vento, que alcança aqui toda a sua intensidade, desenhando uma grande homenagem ao mundo dos livros, à arte de narrar histórias e ao vínculo mágico entre a literatura e a vida.

 

A minha opinião

Faz precisamente hoje um ano que li A sombra do vento, primeiro volume desta extraordinária saga O Cemitério dos Livros Esquecidos. Fecha-se o ciclo e de uma forma mágica com O Labirinto dos Espíritos a arrumar todas as perguntas que tinham ficado em aberto nos outros três livros.

É quase impossível não ficarmos encantados com a escrita de Carlos Ruiz Zafón. As figuras de estilo utilizadas pelo autor são a sua imagem de marca, sem dúvida mas também a forma magistral como caracteriza as suas personagens ou os diálogos únicos, vividos e reais.

Mais extraordinário ainda é que Carlos Ruiz Zafón consegue efectivamente aquilo a que se propôs. Uma história contada em quatro volumes, interligadas entre si mas que podem ser lidas pela ordem que o leitor quiser. Porque, tal como num labirinto, todas as entradas são válidas e há várias formas de chegar à história por completo.

Dos quatro livros, seguramente que A sombra do vento é o melhor (pelo menos para mim). Mas O Labirinto dos Espíritos é o melhor dos outros três. Pelas intrincadas histórias, por um dos temas que aborda (e do qual não vou aqui falar para não estragar a surpresa) e por ser, dos quatro, o que se aproxima mais dum policial.

Como falei mais acima, n'O Labirinto dos Espíritos, todas as dúvidas ficam respondidas. As que surgiram nos outros livros mas também as que surgem no decorrer da leitura destas quase 900 páginas. Não identifico um momento de apoteose no livro, antes pelo contrário. As situações vão-se sucedendo de forma cadenciada, sem picos, mantendo o leitor sempre preso à narrativa (o que não é, quanto a mim, fácil mas que Zafón consegue). E quando percebemos...

15621968_1804551543118452_3399519174718799180_n.jp

chegamos ao fim, e, apesar de serem duas da manhã, apetece-nos pegar no primeiro livro e ler a saga toda de seguida, apesar de sabermos exactamente o que se passa, como se passa e o que vai acontecer. Porque queremos degustar do prazer da companhia de Daniel e de Férmin por mais uns tempos, queremos voltar a sorrir, queremos voltar a nos enternecer e queremos voltar a sonhar.

E é disto que são feitos os bons livros.

 

 

(já participaram no Passatempo O Retrato de Dorian Gray?)

Autoria e outros dados (tags, etc)


13 comentários

De Me, myself and I a 22.12.2016 às 09:55

mal posso esperar por ler...penso que o Pai natal vai presentear-me com este livro! 

De Magda L Pais a 22.12.2016 às 14:50

é uma excelente prenda!

De Just_Smile a 22.12.2016 às 11:43

ANSIOSAAAAAAAAAAAA!

De Magda L Pais a 22.12.2016 às 14:51

não sei porque...

De Pandora a 22.12.2016 às 12:04

Ontem com aquela converseta toda o que fui fazer? Pois, ler um bocadinho. Difícil parar. Anseio pelo fim de semana prolongado para me embrenhar nas palavras de Zafón.

De Magda L Pais a 22.12.2016 às 14:51

ahahahahaha desconfiei que isso ia acontecer ahahahahahahah

De Pandora a 24.01.2017 às 09:33

Ontem à noite cheguei ao fim. Fechou com chave de ouro. Mágico e envolvente, fica agora aquela sensação de vazio. Não sei o que ler a seguir, porque nada será tão bom. 

De Magda L Pais a 29.01.2017 às 21:52

é o problema os bons livros. Deixam saudades e criam demasiadas expectativas para o seguinte

De sacha hart a 22.12.2016 às 23:10

Já ouvi falar tão bem deste autor.
2017 vai ser o ano em que leio estes quatro livros!

De Magda L Pais a 26.12.2016 às 11:24

é uma excelente aposta, acredita

De Mula a 04.01.2017 às 17:20

Concordo que efectivamente a teratologia possa ser lida de uma outra ordem, mas a mim não me faz sentido... entre os dois primeiros sim, é indiferente ler o Jogo do Anjo e a Sombra do Vento em primeiro, mas não consigo imaginar ler o Labirinto dos Espíritos - que já vou lançada na leitura e já percebi que começa a dar explicações... - ou o o Prisioneiro do Céu. Se eu ler o Prisioneiro do Céu antes da Sombra do Vento, quando formos ler a Sombra do vento, vamos perceber que Fermin não aparece por acaso e perde a magia!... MAs isto sou eu que adoro a magia das surpresas! ^_^
E pronto, estou presa ao livro e já não me separo mais dele! Mas ainda vou demorar a ler que este é grande e tem letras miúdas! ahahahahahhaha

De Magda L Pais a 04.01.2017 às 20:59

sim, seguramente que O Labirinto dos Espíritos deve ser o último por fechar todas as histórias. Mas admito que possa ser lido noutra ordem. Eu é que sou mais papista que o papa e acho que, se o escritor escreveu nesta ordem, é nesta ordem que se deve ler

De Anónimo a 24.09.2017 às 04:49

Olá!

Adorei a obra mas confesso que ficaram umas pontas soltas às quais não consegui encontrar resposta. Uma vez que disseste que todas as dúvidas ficaram respondidas no "Labirinto dos espíritos", gostaria de que talvez pudéssemos partilhar opiniões. Ficou bem sublinhado que o David Martin encontrava-se muito doente, e por isso todo o enredo à volta do Andreas Corelli foi imaginação dele. Isso deixa duas perguntas pendentes que o último livro não consegue responder: Afinal quem então assassinou Cristina? Afinal quem então assassinou Barrido e Escobillas? A dada altura cheguei a pensar que talvez tivesse sido o Martin no meio da sua loucura e crença, mas o escritor remete-nos a acreditar que isso não é uma possibilidade.

Obrigada pela partilha de opiniões.

Ana

Comentar post




Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.