Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


9789898626097.jpg

Private: Agência Internacional de Investigação de James Patterson

Editado em 2013 pela TopSeller

ISBN: 9789898626097

Lido em 2015

Sinopse
Jack Morgan, antigo fuzileiro naval e agente da CIA, herdou do seu pai a Private, uma reputada agência internacional de investigação e segurança e, com ela uma carga de trabalhos que pode levá-lo ao ponto de ruptura. Os segredos dos homens e mulheres mais poderosos chegam diariamente a Jack e aos seus agentes, que usam técnicas forenses de ponta para resolver os seus casos.
Como se não lhe bastasse ter de apurar a verdade sobre um escândalo de jogo ilegal na liga de futebol americano e tentar resolver um inquérito criminal sobre as mortes selváticas de 18 raparigas, Jack ainda vai ter de desvendar o tenebroso assassínio da mulher do seu melhor amigo — e sua antiga amante.
Com uma narrativa que se desenvolve a um ritmo alucinante, Private: Agência Internacional de Investigação é o mais excitante e vibrante thriller de James Patterson.
 
A minha opinião
Este livro foi o meu primeiro contacto com um autor que - dizem - é excelente. Não posso dizer que tenha ficado especialmente encantada com a leitura, sinceramente pareceu-me demasiado leve para um "excitante e vibrante thriller". Mas é a minha opinião. Pode ser que, com os outros todos que tenho para ler deste autor, ela acabe por mudar.
Jack Morgan salvou-se, por pouco, da morte em combate. O pai, um criminoso que se encontra preso, semanas antes de morrer, doa-lhe a agência de investigação que vale milhares de dólares e onde a tecnologia ao dispor dos investigadores é a mais moderna.
Ao mesmo tempo, chegam à Private três casos que vão por toda a agência em sentido para os resolver. Primeiro a morte de Shelby. Shelby foi sua amante até que conheceu Andy, o melhor amigo de Jack. E é Andy que a descobre, assassinada, na cama, baleada na testa - uma execução bem ao estilo da máfia. Naturalmente o marido é o principal suspeito da polícia mas Jack move o céu e a terra para provar a sua inocência. Mas primeiro tem de descobrir quem era, afinal Shelby e quem a quereria matar.
Ao mesmo tempo Fred, o tio de Jack, começa a desconfiar que algo não está a correr bem no campeonato de futebol americano. Alguns resultados parecem estranhos e só a Private poderá descobrir o que se passa.
Quando morre mais uma adolescente em circunstâncias pouco claras, a polícia local resolve contactar a Private e os seus investigadores para colaborarem. Afinal morreram 18 adolescentes em menos e dois anos sem que apareçam pistas algumas que possam ajudar a solucionar este caso. Acresce ainda que cada uma das adolescentes morreu de forma diferente e, por isso, não há certezas que seja apenas um assassino. E será que são apenas estas as mortes ou haverá mais?
Enquanto a agência resolve estes casos, os agentes - Jack Morgan incluído - tem os seus próprios assuntos pessoais para resolver. Estarão relacionados?
Como já disse, não é um livro excepcional. É um livro que se lê bem, bem construído, com os detalhes necessários para se tornar interessante. Vamos ver como vão ser os restantes deste autor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Perguntem a Sarah Gross

por Magda L Pais, em 21.10.17

500_9789722057103_perguntem_sarah_gross.jpg

Perguntem a Sarah Gross de João Pinto Coelho
Editado em 2015 pela Dom Quixote
ISBN: 9789722057103
Lido em 2015
 
Sinopse
Em 1968, Kimberly Parker, uma jovem professora de Literatura, atravessa os Estados Unidos para ir ensinar no colégio mais elitista da Nova Inglaterra, dirigido por uma mulher carismática e misteriosa chamada Sarah Gross. Foge de um segredo terrível e procura em St. Oswald’s a paz possível com a companhia da exuberante Miranda, o encanto e a sensibilidade de Clement e sobretudo a cumplicidade de Sarah. Mas a verdade persegue Kimberly até ali e, no dia em que toma a decisão que a poderia salvar, uma tragédia abala inesperadamente a instituição centenária, abrindo as portas a um passado avassalador. 
Nos corredores da universidade ou no apertado gueto de Cracóvia; à sombra dos choupos de Birkenau ou pelas ruas de Auschwitz quando ainda era uma cidade feliz, Kimberly mergulha numa história brutal de dor e sobrevivência para a qual ninguém a preparou.
Rigoroso, imaginativo e profundamente cinematográfico, com diálogos magistrais e personagens inesquecíveis, Perguntem a Sarah Gross é um romance trepidante que nos dá a conhecer a cidade que se tornou o mais famoso campo de extermínio da História. A obra foi finalista do prémio LeYa em 2014.
 
A minha opinião
Este foi um dos livros que me desgraçou na Feira do Livro de Lisboa de 2015. E tudo por culpa da opinião da Márcia. E não, as minhas expectativas, que estavam elevadas, não foram defraudadas. Se vos dizer que em 4 dias, apenas 4 dias, devorei e degustei este livro, talvez não acreditem mas a verdade é que foi isso mesmo que aconteceu. Este livro lê-se assim, de uma penada e com cuidado - muito cuidado - para não perdermos a paragem de autocarro ou do metro. E sendo este romance a estreia de João Pinto Coelho como escritor, augura, seguramente, um futuro brilhante, com muitos livros para eu ler.
O livro intercala a história de Kimberly, uma jovem atormentada pela sua adolescência e que, em 1968, vai dar aulas para St. Oswald, um colégio interno, elitista que é dirigido por Sarah Gross. Ao mesmo ritmo, acompanhamos a vida da família Gross desde 1923 em Oshpitzin, Polónia, localidade onde, anos mais tarde, seria instalado o campo de concentração de Auschwitz. Do tempo de felicidade em 1923 e em 1968 passamos aos horrores que se viveram no pior campo de concentração e a uma tragédia em St. Oswald’s, levando-nos, o autor, ao ponto de não conseguirmos parar a leitura para podermos saber o que o destino reservou a cada uma das personagens. De uma forma magistral, sentimos, quase que na pele, as alegrias, os medos, as tristezas, dos homens e mulheres que viveram em cada uma das épocas retratadas.
Por fim, quando lemos o epilogo e percebemos que estamos a saborear as últimas linhas deste romance sublime, fica aquela sensação de que já tinha saudades - a dum livro que vai precisar que eu faça o seu luto, que o absorva nos próximos dias sem o macular com outra leitura.
 
Classificação:
 
(Parabéns ao autor pelo Prémio Leya. E que o livro venha depressa que eu quero muito ler)

Autoria e outros dados (tags, etc)

D. Maria II - Tudo Por Um Reino

por Magda L Pais, em 26.09.17

13640415.jpg

D Maria II Tudo Por Um Reino de Isabel Stilwell

Editado em 2012 pela A Esfera dos Livros

ISBN: 9789896263690

Lido em 2015

Sinopse
Com apenas 7 anos, Maria da Glória torna-se rainha de Portugal. Um país do outro lado do oceano que nunca havia pisado. A sua infância foi vivida no Brasil, entre o calor e os papagaios coloridos que admirava na companhia dos seus irmãos e da sua adorada mãe, D. Leopoldina. A ensombrar esta felicidade apenas Domitília, a amante do seu pai, imperador do Brasil e D. Pedro IV de Portugal. Em 1828 parte rumo a Viena para ser educada na corte dos avós. Para trás deixa a mãe sepultada, os seus adorados irmãos e a marquesa de Aguiar, sua amiga e protectora. Traída pelo seu tio D. Miguel, que se declara rei de Portugal, e a quem estava prometida em casamento, D. Maria acaba por desembarcar em Londres onde conhece Vitória, a herdeira da coroa de Inglaterra a quem ficará para sempre ligada por uma estreita relação de amizade. Aos 15 anos, finda a guerra civil, D. Maria pisa pela primeira vez o solo do seu país. Seria uma boa rainha para aquela gente que a acolhia em festa e uma mulher feliz, mais feliz do que a sua querida mãe. Fracassada a sua união com o tio, agora exilado, casa-se com Augusto de Beauharnais que um ano depois morre de difteria. Maria era teimosa, não desistia assim tão facilmente da sua felicidade e encontra-a junto de D. Fernando de Saxo-Coburgo-Gotha, pai dos seus onze filhos, quatro deles mortos à nascença.
 
A minha opinião
D Maria II é uma das personagens literárias que a Maria gostaria de conhecer, até porque este foi um dos livros que a Maria leu em 2014 que mais gostou e logo ai me deixou curiosa. Depois veio a M.J. que ficou quase escandalizada por nunca ter lido nenhum livro desta autora. Uma pessoa (eu) não é de ferro e pronto, lá veio o livro emprestado pela M.J. numa troca de livros entre as duas.
Em boa hora, aliás, em muito boa hora tal aconteceu!!
Gosto imenso de livros em que, para além do prazer da leitura, aprendo mais alguma coisa. Os romances históricos são, sem dúvida, os mais indicados. E neste caso com a vantagem de aprender mais sobre a nossa própria história que, na escola, é, tantas vezes, relegada para segundo plano.
D Maria II é uma personagem incontornável da nossa história. O Teatro D Maria II e o Palácio da Pena são duas das obras que foram edificadas no seu atribulado reinado, tendo, entre o governo (ou seria mais desgoverno?) do país, conseguiu encontrar tempo para engravidar onze vezes, tendo sobrevivido sete desses filhos.
Foi também pelas mãos de D Maria II e de D Fernando, o marido, que o costume da árvore de Natal e do Pai Natal chegaram a Portugal.
Mas D Maria era também, acima de tudo, uma criança mimada. Uma criança que viu a sua mãe ser quase prisioneira pelo pai - mais interessado nas amantes, principalmente em Domitília - tendo, inclusivamente, ouvido a tareia que o pai deu à mãe e que a levou à morte. Ainda em criança Maria da Glória vê seu pai ter verdadeiros ataques de estupidez (este termo é meu) contra amigos e conhecidos, pondo-os de lado sempre que não lhe faziam a vontade ou que Domitília o envenenava contra eles. Maria, rainha de Portugal aos sete anos, jura então nunca se desfazer dos amigos e a dar o máximo de si a seu marido para que ele nunca tivesse de encontrar o consolo fora de casa.
D Maria II, uma rainha ingénua, ingrata e teimosa, mal educada e aconselhada pelo pai e que nunca aceitou uma critica. D Maria, uma criança num corpo de mulher, ansiosa por agradar ao povo mas sem nunca se preocupar com o que é que o povo realmente queria. Mesmo depois da morte do pai e de estar casada e bem com D Fernando II, nunca aceitou conselhos daqueles que a defenderam quando o seu reino estava entregue aos Miguelistas e ela era uma rainha sem trono, tendo entregue a sua confiança a Costa Cabral que sabia bem como a enganar.
Curioso... a meio de livro e em algumas (muitas) partes relacionadas com a (des)governação do país, achei que estava a ler um relato dos últimos governos. Fiquei a pensar que, afinal, o problema não é de agora, a desgovernação está-nos no sangue.
Adiante.
D Maria II, a mãe e esposa, que nunca aceitou que os seus filhos fossem criados apenas com as amas e que fazia questão de estar com eles, de brincar com eles (nem que, para isso, aparecesse nas reuniões com a roupa suja) e que exigia, dos filhos, educação e que tratassem os outros com respeito e consideração.
A organização do livro está bastante curiosa. Cada capítulo tem uma parte que é a narrativa e outra que é uma carta ou uma parte dum diário. Primeiro da camareira-mor da mãe de D Maria II, depois de Leonor, a mestra que a acompanhou em Londres e, finalmente, Vitória, a sua melhor amiga e rainha de Inglaterra. Esta organização torna o livro ainda mais interessante - se é que tal é possível - porque acabamos por conhecer ainda melhor a época e os conceitos de família.
Sem dúvida que quero ler mais desta autora que acabo de descobrir!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Glória Mortal

por Magda L Pais, em 07.09.17

6307199.jpg

Glória Mortal de J. D. Robb
Editado em 2008 pela Edições Chá das Cinco
ISBN: 9789898032423
Lido em 2015
 
Sinopse
A primeira vítima foi encontrada num passeio à chuva. A segunda foi morta no próprio apartamento. Eve Dallas, tenente da polícia de Nova Iorque, não tem dificuldade em ligar os dois crimes. Afinal, ambas as mulheres eram bonitas, famosas, e as suas vidas e amores glamorosos enchiam as capas das revistas. As suas relações íntimas com homens poderosos dão a Eve uma longa lista de suspeitos, incluindo Roarke, o seu próprio companheiro. Como mulher, Eve tem toda a confiança no homem que partilha a sua cama. Mas como polícia, é sua obrigação seguir todas as pistas… investigar todos os rumores escandalosos… explorar todas as paixões secretas, por mais obscuras que sejam. Ou perigosas!
 
A Minha Opinião
Para quem não sabe, J.D.Robb é um pseudónimo de Nora Roberts, por isso este livro - o segundo da colecção Mortal - tem o seu quê de romance. Mas também é um policial. Eu diria, para que fique bem classificado, que é um policial romanceado e futurista já que se passa em 2058. 
Não me perguntem porquê, apesar de saber que é uma série, não tenho lido esta colecção por ordem. Talvez porque o primeiro que encontrei tinha acabado de sair e só depois de o ter lido é que percebi que era uma série. Não é grave, apesar do fio condutor - a história de Eve e Roarke - os livros são independentes entre si. O único contra é saber já o que se passou, afinal, com Eve e que ela não se quer lembrar e porque é que Summerset tanto protege Roarke. Esqueçam lá isso, não vos vou contar. Leiam e descubram...
Vamos à história.
A procuradora do ministério público, Cicely Towers, que já tinha trabalhado com Eve, aparece degolada numa zona pobre da cidade, fora do seu ambiente normal. Cicely era também amiga íntima do chefe de Eve e parceira de negócios de Roarke. Enquanto tenta desvendar o que se passou, Yvonne Metcalf é assassinada, da mesma forma, mesmo à porta do seu apartamento. Entre as duas falecidas um único ele comum - Roarke, o companheiro de Eve. Terá sido ele, que tem um passado obscuro, que as matou? E porque razão? o mistério adensa-se quando Louise Kirski é degolada, à porta da estação de televisão. Sem conseguir encontrar ligação alguma entre as três, resta a Eve reconstituir, com calma, os crimes e perceber se houve, ou não, alguma contradição nos testemunhos e qual é a motivação destes assassinatos.
Mas Eve não é só polícia. Também é mulher. E foi criança, uma criança que teve problemas e que os apagou da sua memória. Restou-lhe a dificuldade em aceitar os seus próprios sentimentos, principalmente em relação a Roarke. Será que vai aceitar que se apaixonou e que precisa tanto dele como ele dela?
É um bom livro para começar a descoberta desta faceta da Nora Roberts. Eu, pessoalmente, gostei imenso e recomendo a leitura. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

D Teresa

por Magda L Pais, em 22.03.17

25592538.jpg

D Teresa de Isabel Stilwell

Editado em 2015 pela Manuscrito Editora

ISBN: 9789898818027

Lido em 2015


Sinopse

Esta é a história de Teresa, uma mulher de armas, à frente do seu tempo, que governou num mundo de homens e de conspirações.

Filha de Ximena Moniz do Bierzo, de quem herdou os olhos verdes e a astúcia, e de Afonso VI de Leão e Castela. Viúva aos 25 anos do Conde D. Henrique de Borgonha regeu com pulso de ferro o que era seu por direito. Em 1116, o Papa Pascoal II reconhecia-a como Rainha.

Pelo Condado Portucalense confrontou a meia-irmã e rival Rainha Urraca de Castela, o pai, a igreja Católica, os nobres portucalenses e até mesmo o seu próprio filho D. Afonso Henriques, na lendária Batalha de São Mamede. Trinta e três anos depois de ter chegado ao condado, via-se obrigada a fugir, derrotada e traída. Restava-lhe o consolo de ter a seu lado o seu amado, Fernão Peres de Trava, e a certeza de que Alberto, seu fiel amigo, escreveria, com verdade, a sua história.

Isabel Stilwell é a autora de romances históricos mais lida em Portugal. D. Teresa - Uma Mulher que Não Abriu Mão do Poder é um romance emocionante sobre esta personagem fundamental da nossa história - mãe de D.Afonso Henriques, amante de Fernão Trava e Rainha de Portugal.

A minha opinião

Caramba! Se tivesse de resumir este livro numa só palavra, Caramba seria a palavra escolhida. Aprendi mais sobre o nascimento desta nossa pátria neste livro do que em vários anos na escola. E isso é fantástico.
Desconhecia que o primeiro rei de Portugal era o filho mais novo de D Teresa e D Henrique e que tinha tido três irmãs e um irmão (que morreu com pouco mais de dois anos). E, por isso, terei, provavelmente, feito figura de parva quando, esta tarde, do nada, gritei - ah, até que enfim que ele nasce. Porque, sempre que D Teresa estava grávida eu achava que era ele. Mal sabia eu, quando dei esse grito aqui em casa, que ainda iriam nascer mais duas crianças, fruto da relação adúltera de D Teresa com Fernão Trava.
Aliás, é precisamente essa relação com Fernão Trava e o facto de D Teresa não renegar as filhas nascidas dessa relação (como poderia, se ela própria sabia o que era ser filha ilegítima), dizia eu então que foi essa relação adultera que despoletou a fúria de D Afonso Henriques, apoiado por muitos nobres que não viam, com bons olhos, uma mulher a governar o condado e muito menos uma mulher que vivia uma relação pecaminosa com um homem casado.
Outro dos detalhes que me era desconhecido era a quantidade de Urracas e Teresas que existiam na altura. Não sei se era falta de originalidade mas a verdade é que são nomes que se repetem na história do nascimento de Portugal. Ao ponto de ter tido necessidade, várias vezes, de consultar a arvore genealógica que a autora disponibiliza no inicio do livro.
E, senhores, que família disfuncional... Portugal e Espanha nasceram dos conflitos duma família disfuncional, em que pais e filhos, irmãos e irmãs, tios e sobrinhos, marido e mulher lutam entre si, traem-se mutuamente para, logo a seguir, fazer uma aliança que, seguramente, seria precária. Tirando as relações de D Teresa com a sua mãe, Ximema ou com o seu primeiro marido, D Henrique (pai de D Afonso Henriques e das irmãs mais velhas), nenhuma das outras estava a salvo de uma traição. Amavam-se entre si, mas à sua maneira.
Resumindo, estou seguidora fiel desta autora. Demorei a decidir-me a ler os livros dela (obrigado, mais uma vez, M.J. por me teres quase forçado a fazê-lo) mas agora que a descobri, terei de os ler todos).

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.