Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O Vendedor de Passados

por Magda L Pais, em 05.10.17

ovendedor.jpg

O Vendedor de Passados de José Eduardo Agualusa 

Editado em 2017 pela Quetzal Editores

ISBN: 9789897223686

Sinopse

Félix Ventura escolheu um estranho ofício: vende passados falsos. Os seus clientes - prósperos empresários, políticos, generais, enfim, a emergente burguesia angolana - têm o futuro assegurado. Falta-lhes, porém, um bom passado. Félix fabrica-lhes uma genealogia de luxo e memórias felizes, e consegue-lhes os retratos dos ancestrais ilustres.

A vida corre-lhe bem. Uma noite entra-lhe em casa, em Luanda, um misterioso estrangeiro à procura de uma identidade angolana. Então, numa vertigem, o passado irrompe pelo presente e o impossível começa a acontecer. Sátira feroz, mas divertida e bem-humorada, à atual sociedade angolana, O Vendedor de Passados é também (ou principalmente) uma reflexão sobre a construção da memória e os seus equívocos.

A minha opinião

Depois de ler O Lugar do Morto e A Sociedade dos Sonhadores Involuntários alguém me sugeriu a leitura deste livro, por considerarem que O Vendedor de Passados era o melhor que Agualusa escreveu. Tenho de confessar que não me lembro que me disse isto mas lembro-me que, quando vi que este livro estava a circular no âmbito do livro secreto, fiquei ansiosa para que me chegasse às mãos para que pudesse comprovar o que me disseram.

Bem... é verdade. Pelo menos comparando com os outros dois que li, Agualusa, neste Vendedor de Passados encantou-me.

Primeiro encanto do livro, o narrador. Entre os narradores dos livros que li, temos um narrado pela Morte, outro narrado pelo próprio Livro, e este, entra para esse top de narradores diferentes com uma Osga...

Ao chegar-mos a velhos apenas nos resta a certeza de que em breve seremos ainda mais velhos. Dizer a alguém que é jovem não me parece uma expressão correcta.

Agualusa, também neste livro, faz uma critica acérrima à sociedade angolana, do presente e do passado, um povo à procura da sua identidade, do seu passado. Félix, um negro albino, vende exactamente isso. Passados a quem deles precisa por alguma razão.

Só somos felizes, verdadeiramente felizes, quando é para sempre, mas só as crianças habitam esse tempo no qual todas as coisas duram para sempre.

Uma história original, sem dúvida, numa escrita própria (que, eventualmente, nem toda a gente gostará) mas que, sem dúvida se aprende a apreciar aos poucos. Ainda bem que optei por não desistir da leitura de Agualusa porque este Vendedor de Passados conquistou-me por inteiro.

(leia aqui as primeiras páginas)

Classificação:

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.