Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O Último dos Nossos

por Magda L Pais, em 07.11.17

36471025.jpg

O Último dos Nossos de Adélaïde de Clarmont-Tonnerre

ISBN: 9789897243981

Editado em 2017 pelo Clube do Autor

Sinopse

Dresden, 1945: sob um dilúvio de bombas, uma mãe agoniza para dar à luz o seu filho. Manhattan, 1969: um homem encontra a mulher da sua vida no coração da Big Apple.

Do inferno da Europa, em 1945, à Nova Iorque hippie. Neste romance premiado com o Grande Prémio do romance da Academia Francesa, Adélaïde de Clarmont-Tonnerre conta a história dos anos loucos vividos na pele por dois genuínos filhos do século XX: Werner Zilch, nascido na Alemanha no estertor da Segunda Guerra Mundial, e Rebecca Lynch, herdeira de um homem de negócios e de uma mulher que logrou escapar com vida ao campo de concentração de Auschwitz. Uma paixão louca e proibida num cenário histórico repleto de reviravoltas e marcado pelo suspense.

Werner Zilch é um jovem carismático e empreendedor. Adotado desde tenra idade, vê-se confrontado com a descoberta das suas origens, tudo menos gloriosas. Aos olhos dos outros, pode ser considerado responsável pelos erros cometidos pelos seus antepassados? Como aceitar que o seu progenitor estivesse ligado ao nazismo?

A par das personagens, surgem nomes que os leitores por certo reconhecerão, todos eles figuras marcantes do seu tempo. A saber: Andy Warhol, Truman Capote, tom Wolfe, Joan Baez, Patti Smith, Bob Dylan...

Uma complexa história de amor que é, ao mesmo tempo, um capítulo ficcionado da nossa História. O leitor não conseguirá pousar o livro enquanto não descobrir quem é, na verdade, «o último dos nossos». No fim, fica a pergunta: estaremos condenados a responder pelos crimes e pelo sofrimento dos nossos pais e avós?

A minha opinião

Desta vez começo a minha crítica a este livro pelo fim. Este é, muito provavelmente, o melhor livro que li em 2017. E digo muito provavelmente porque faltam quase dois meses e alguns livros para ler. De qualquer maneira, está, seguramente, no top 5 dos livros lidos em 2017.

O último dos nossos fala-nos do depois. Depois da segunda grande guerra, dos filhos de quem sofreu horrores nos campos de concentração mas também dos filhos de quem os perpetuou. De como a personalidade dos filhos pode estar condicionado pelo que os pais fizeram ou sofreram e como podem, os filhos de ambos se relacionar entre si.

É, acima de tudo, um livro que nos obriga a reflectir.

O livro está dividido em vários capítulos, cada um passado num determinado momento do tempo, intercalando o passado distante (final da segunda grande guerra) e com o presente (finais da década de 60) com alguns interlúdios num passado mais próximo. Obriga, por isso, a alguma atenção aos títulos dos capítulos (coisa que, confesso, eu estava tão embrenhada na leitura que só me apercebi mais tarde).

Aliás, esse foi o problema ao longo de todo o livro. Estava sempre tão embrenhada na leitura, que quase que não me ia apercebendo do que se passava à minha volta. Gosto de livros que me envolvem desta maneira, que me prendem a atenção da primeira à última página, que me levam a ler o último parágrafo com um misto de alegria e tristeza. Gosto de livros com uma escrita simples, que fluem, que contam histórias, que surpreendem e que não são previsíveis. O Último dos Nossos tem isso tudo, além duma bonita história de amor, dum cão amoroso (Shakespeare), aventuras e desventuras, raiva e reconciliação, e, por fim, o perdão.

Mas, por favor, não confiem só em mim. Confirmem por vós. Leiam este livro, deliciem-se nas suas páginas. Chorem de alegria e tristeza com O Último dos Nossos. Vivam estas páginas, como eu as vivi e vão ver que, tal como eu, vão chegar ao fim encantados com a história mas, ao mesmo tempo, tristes por terminar tão depressa.

Classificação:

(este livro foi-me oferecido pelo Clube do Autor em troca duma opinião honesta e sincera)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lei & Corrupção

por Magda L Pais, em 05.11.17

36149561.jpg

Lei & Corrupção de Mike Papantonio

ISBN: 9789897243868

Editado em 2017 pelo Clube do Autor

Sinopse

Escrita por um dos mais reputados advogados dos Estados Unidos, é uma história reveladora sobre os meandros do sistema judicial e as manobras, lícitas e menos lícitas, que podem definir o desfecho de um julgamento.

O impetuoso advogado Nicholas Deketomis construiu uma carreira de sucesso a proteger os direitos dos inocentes, enfrentando grandes empresas. Deke tem agora em mãos um caso polémico e milionário, defendendo uma jovem de 19 anos que sofreu um acidente vascular cerebral após tomar uma pílula contracetiva da Bekmeyer, uma grande farmacêutica. Numa audiência prévia, o advogado pretende que seja aceite como prova um exame de toxicologia. Pouco depois de o juiz anunciar que não aceita a conclusão do relatório, a jovem desfalece e morre, vítima de um grande coágulo de sangue.

Ao procurar justiça para Annica, Deke vê-se de repente do outro lado da lei e descobre que tem mais inimigos do que imaginava, dispostos a tudo para proteger os seus segredos e interesses. Decididos a afastar o advogado incómodo, um pregador fundamentalista, o procurador distrital e os donos de uma das maiores petrolíferas juntam-se numa conspiração infame. Falsamente acusado de homicídio, Deke enfrenta o julgamento da sua vida. Mas este homem que não tem medo de dizer o que pensa não vai desistir sem dar luta.

A minha opinião

Já iniciei várias vezes esta minha opinião mas não sei bem por onde começar. Podia começar por dizer que sou apaixonada por livros que retratem casos de advogados, livros em que aprendemos enquanto estamos entretidos. Ou que adoro livros que me prendem, que nos fazem torcer pelos bons e desejar que os maus sejam apanhados. Ou que sou fã incondicional de John Grisham. Só que depois teria a resposta habitual: tu és apaixonada por livros e pronto, escusas de dizer mais. E é verdade, totalmente verdade.

A questão é que, realmente, gosto de livros que se passam nos tribunais (pena não haver livros destes passados em Portugal, com a nossa realidade judicial), que nos fazem ter fé que a justiça realmente funciona (vá, pronto, a maior parte das vezes funciona) e que nos fazem acreditar que, às vezes, as formigas podem incomodar os elefantes (nem que seja só na ficção).

Lei & Corrupção fala-nos precisamente nisso. Na capacidade de se vencer batalhas judiciais sem que se tenha de ser um elefante. É um livro escrito por alguém que percebe bem o sistema judicial americano, e que o retrata de forma muito próxima - ou não fosse o autor um advogado conhecidíssima nas terras do tio Sam.

Sem entrar demasiado em linguagem técnica - um erro comum quando os autores são especialistas em alguma matéria - Mike Papantonio leva-nos (quase ao colo) por uma série de acontecimentos interligados na vida de Deke, um advogado sem medos, enquanto prepara três julgamentos, sendo um deles o dele próprio, por ter assassinado uma pessoa.

Tive alguma dificuldade em largar este livro (mesmo enquanto estava a fazer a manicura), quer pela estrutura das histórias, da forma brilhante como os três casos se intercalaram mas também pelas personagens - as boas e as vilãs - que estavam muito bem construidas e consistentes com o que seria expectável de cada uma delas.

Agora, terminado o livro, restam-me duas perguntas: para quando um livro deste género passado em Portugal e, mais importante ainda, para quando mais livros deste autor para eu ler?

Leia aqui as primeiras páginas

Classificação:

(este livro foi-me oferecido pelo Clube do Autor em troca duma opinião honesta e sincera)

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Filha do Pântano

por Magda L Pais, em 03.11.17

 36118030.jpg

A Filha do Pântano de Karen Dionne

ISBN: 9788491391340

Editado em 2017 pela Harper Collins

Sinopse

Finalmente, Helena tem a vida que merece. Um marido dedicado, duas filhas lindas, um negócio que preenche os seus dias. Mas, quando um presidiário se evade violentamente de uma prisão vizinha, apercebe-se de que foi ingénua ao pensar que poderia deixar para trás os seus piores momentos. Helena tem um segredo: é o resultado de um rapto. O seu pai sequestrou a sua mãe quando esta era adolescente e manteve-a em cativeiro numa cabana remota nos pântanos da Península Superior do Michigan. Sem electricidade, sem aquecimento, sem água canalizada, Helena, nascida dois anos depois do rapto, adorava a sua infância. E, apesar do comportamento por vezes brutal do pai, amava-o... até descobrir exactamente até que ponto uma pessoa podia ser selvagem.

Vinte anos depois, enterrou o passado tão profundamente que nem sequer o marido sabe a verdade. Mas, agora, o seu pai matou dois guardas prisionais e desapareceu num pântano que conhece melhor do que ninguém. A polícia começa a caça ao homem, mas Helena sabe que os agentes não têm qualquer hipótese de o apanhar. Sabe que há apenas uma pessoa que conta com as estratégias necessárias para encontrar alguém preparado para sobreviver a uma catástrofe e a quem o mundo chama «o rei do pântano»... porque há apenas uma pessoa que ele próprio treinou: a sua filha.

A minha opinião

Tenho alguma dificuldade - eu, que sou uma fala barato - em dizer alguma coisa de jeito sobre este livro que mexeu comigo na qualidade de mãe, filha ou mulher. Este é um livro intenso - pouco mais de 24 horas em cerca de 320 páginas, lidas quase de uma penada. Comecei ontem de manhã, acabei hoje ao almoço. Violei a minha regra sagrada de não ler depois de jantar para evitar ficar agarrada ao livro até o acabar. Este é um dos poucos livros que me fez quebrar essa regra com quase 20 anos de existência.

A intensidade deste livro não se mede apenas pelo presente - quando o pai de Helena foge da cadeia e Helena tem de o caçar para não ser, ela própria, a caça. Mede-se também pelas pesadas recordações duma infância diferente, e de um despertar de consciência, quando Helena se apercebe que a sua situação familiar é atípica e fruto dum pai violento e duma mãe forçada.

A Filha do Pântano é também um livro sobre sobrevivência, sobre violência - física e psicológica - sem ser demasiado gráfica, que nos mostra o pior que um ser humano é capaz de fazer a outro, ainda que em nome do amor.

É Helena que narra este livro, a história dela e do pai - porque a história da mãe é dela própria - o que nos ajuda a entrar na mente da personagem, acompanhando as suas dúvidas, o seu crescimento, as dificuldades que teve na integração da sociedade após sair do pântano, enquanto vamos, também, tentando caçar Jacob, o perigoso prisioneiro que é também o pai que Helena amou na infância, que ainda ama, e que, ao mesmo tempo, odeia por tudo o que descobriu que o seu pai fez.

A Filha do Pântano é um livro negro - mas em bom. Em muito bom. Um livro que não se larga sem chegar ao fim, que nos deixa a pensar muito para lá da leitura. Em bom. Em muito bom. 

 

Classificação:

(este livro foi-me oferecido pela Harper Collins em troca duma opinião honesta e sincera)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Espada de Vidro

por Magda L Pais, em 29.10.17

28496627.jpg

Espada de Vidro de Victoria Aveyard

Rainha Vermelha #2

ISBN: 9789897730818

Editado em 2017 pela Saída de Emergência

Sinopse

“Se sou uma espada, sou uma espada de vidro, e já me sinto prestes a estilhaçar.”

O novo e eletrificante capítulo da série Rainha Vermelha intensifica a luta de Mare Barrow contra a escuridão que cresceu na sua alma…

O sangue de Mare Barrow é vermelho mas a sua capacidade Prateada, o poder de controlar os relâmpagos, transformou-a numa arma que a corte real tenta controlar. A coroa acusa-a de ser uma farsa, mas quando ela foge do príncipe Maven – o amigo que a traiu –, Mare faz uma descoberta surpreendente: ela não é a única da sua espécie.

Perseguida por Maven, Mare parte para descobrir e recrutar outros combatentes Vermelhos e Prateados que se juntem à batalha contra os seus opressores. Mas Mare encontra-se num caminho mortífero, em risco de se tornar exatamente no tipo de monstro que está a tentar derrotar.

Será que ela vai ceder sob o peso das vidas exigidas pela rebelião?

Ou a traição e a deslealdade tê-la-ão endurecido para sempre?

A minha opinião

Ano e meio depois de ler Rainha Vermelha, o primeiro volume desta série (editado em Setembro de 2015) chegou, finalmente, às bancas portuguesas este Espada de Vidro.

Lamento, honestamente, que tenham passado dois anos entre estes dois brilhantes livros e espero, sinceramente, não ter de esperar mais dois anos pelo terceiro volume e mais quatro pelo quarto volume, ainda para mais considerando o ponto de tensão em que acabou este segundo volume (será que fazer uma manifestação à porta da editora resolverá?)

Sabe, quem me acompanha neste blog, que fantasia é o meu género literário favorito. Assim como sabem que deliro com Anne Bishop (amanhã vos conto como foi o dia de ontem, em que tive oportunidade de a ouvir ao vivo e a cores) e sabem também, claro, que qualquer autor de fantasia que eu leia é, sem grande esforço, comparado a Anne Bishop. É mais forte que eu, não o consigo evitar. Mas, de vez em quando, lá encontro alguém que se aproxima, tal como Brandon Sanderson. Victoria Aveyard não é - ainda - Anne Bishop mas, tal como Brandon Sanderson anda lá perto, o que, confesso, me agrada.

Encontramos, neste livro (assim como no anterior) um mundo dividido entre prateados e vermelhos. Duas castas separadas pelo sangue. Os que tem sangue prateado são dotados de capacidades inatas: obrigar os outros a cumprir instruções dadas mentalmente, criar fogo, manobrar aço, ler mentes, ver o futuro... possibilidades imensas de capacidades usadas, acima de tudo, para obrigar os de sangue vermelho, a vergar à vontade dos prateados. Os vermelhos são os servos, os mineiros, os soldados enviados para a morte. Até que surge Mare, uma sangue vermelho com capacidades prateadas. Uma anomalia genética que - a bem dos prateados - terá de ser eliminada. A todo o custo. Mas além de Mare, há mais sangue vermelho com a mesma anomalia. Resta aos prateados - principalmente ao rei, Maven - eliminar Mare e todos os que se unem a ela.

Este livro começa de forma lenta. Talvez fruto de já terem passado 18 meses desde que li o primeiro, havia algumas coisas que não me recordava mas que, aos poucos, me fui lembrando, tornando a leitura mais fluida e mais interessante (vá, na prática, demorei umas 20 ou 25 páginas a retomar o ritmo). Por fim não o queria largar. Senti-me transportada até à prisão, sentei-me com Mare a conversar com Cameron e quase que ofereci um lenço para as lágrimas que Kilorn quis esconder. Victoria Aveyard tem essa facilidade, de nos transformar em personagens dos seus livros, de nos levar a viver o mesmo que elas. Odiamos Mare e Elara com a mesma intensidade de Cal e quase sentimos o toque de Shade.

São livros assim, que nos fazem viver com as personagens, que nos transportam lá para dentro, para a acção, que eu realmente gosto. E depois, as capas. Estas capas são fabulosas, realmente fabulosas.

Por isso... que esperam para os ler? sei lá, ler já?

Classificação:

(este livro foi-me oferecido pela Saída de Emergência em troca duma opinião honesta e sincera)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

As Lamas do Mississípi

por Magda L Pais, em 22.10.17

as lamas.jpg

As Lamas do Mississípi de Hillary Jordan

ISBN: 9789897730771

Editado em 2017 pela Saída de Emergência

Sinopse

Entre a subtileza e a brutalidade, o preconceito pode assumir muitas formas.

Estamos em 1946 e a citadina Laura McAllan tenta criar os filhos na quinta do seu marido no Mississípi - para ela, um lugar parado no tempo e assustador. Entretanto, no meio das lutas familiares, dois jovens regressam da guerra. Jamie McAllan, cunhado de Laura, é tudo o que o seu marido não é - charmoso, bonito e assombrado pelas memórias dos combates. Ronsel Jackson, filho mais velho dos caseiros negros que vivem na quinta dos McAllan, regressou a casa como herói de guerra. No entanto, independentemente da sua bravura, ele terá de enfrentar batalhas ainda maiores perante o racismo e a intolerância dos seus compatriotas.

É a improvável amizade destes irmãos de armas que guia os acontecimentos, à medida que somos imersos nas lealdades familiares e testemunhamos as paixões e ódios que irrompem no seio de uma comunidade onde a tragédia não se fará esperar…

A minha opinião

Creio que não será exactamente vulgar que um romance de estreia de um escritor seja tão bem sucedido quanto este. As Lamas do Mississípi é um romance forte, pesado, que nos leva às terras do Mississípi pela década de 50 do século XX, logo após a segunda grande guerra e em pleno clima de intolerância para com os negros, considerados seres de segunda ou terceira categoria, aptos apenas para a apanha do algodão:

... Mesmo que eu tivesse dinheiro para comprar uma (máquina de apanhar algodão), não a queria.  Deem-me um apanhador de cor em qualquer altura. Não há nada nem ninguém que consiga fazer um melhor trabalho de apanha. O preto do sul tem a apanha do algodão no sangue. Basta ver as crianças de cor nos campos para vermos isso. Mesmo antes de nos chegarem aos joelhos, os dedos delas sabem o que fazer. É claro que a apanha é como qualquer outra tarefa que lhes dêmos, temos de estar sempre de olho neles, para nos certificarmos que não estão a enganar-nos...

É neste clima que conhecemos Henry, Jamie, Laura, Harper, Rossie e Florence, as personagens que nos contam a sua versão da mesma história que começa (ou talvez acabe) com o funeral do pai de Henry e Jamie, um velho embirrento, racista e antipático.

Hillary Jordan transporta-nos, como por magia, para um mundo que achamos distante, para vivenciar situações que nos irritam e outras que nos deixam com esperança. Vivemos, por algumas páginas, num mundo que, além de racista, rebaixava as mulheres, considerando-as posse dos seus maridos, incapazes... quase ao nível dos negros. Agora imaginem o que seria ser mulher e negra?

As Lamas do Mississípi é um livro sobre relações. Entre brancos e negros, entre homens e mulheres. Entre pessoas da mesma família. É a história dum casamento, da dinâmica familiar e das relações entre fazendeiros e rendeiros. De injustiças, racismo e do papel das mulheres numa sociedade em que os homens brancos achavam-se superiores a quem não o fosse. Ao dar-nos a conhecer o que cada um dos seis narradores pensa sobre os acontecimentos, tornamos-nos parte do livro, envolvemos-nos com as personagens que amamos e odiamos.

As Lamas do Mississípi é um livro que custa a acabar, que sentimos que vai fazer parte de nós. E é, acima de tudo, um livro a ler, principalmente por quem procura um livro inteligente, humano e maravilhoso. E é também a esperança que a autora continue a escrever desta forma brilhante, que eu cá estarei para a ler.

Classificação:

(este livro foi-me oferecido pela Saída de Emergência em troca duma opinião honesta e sincera)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.