Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O Quarto de Jack

por Magda L Pais, em 04.06.17

room.jpg

O Quarto de Jack de Emma Donoghue

ISBN: 978-972-0-04343-6

Editado em 2016 pela Porto Editora

Sinopse

Original, poderoso e soberbo, Jack é inesquecível: a coragem e o imenso amor numa história perturbante contada pela voz da inocência.

Para Jack, de cinco anos, o quarto é o mundo todo. É onde ele e a Mamã comem, dormem, brincam e aprendem. Embora Jack não saiba, o sítio onde ele se sente completamente seguro e protegido, aquele quarto é também a prisão onde a mãe tem sido mantida contra a sua vontade. Contada na divertida e comovente voz de Jack, esta é uma história de um amor imenso que sobrevive a circunstâncias aterradoras, e da ligação umbilical que une mãe e filho.

O quarto é um lugar que nunca vai esquecer; o mundo é um sítio que nunca mais olhará da mesma maneira.

A minha opinião

Se quisesse definir este livro numa única palavra, seria angustia. Este é, sem dúvida alguma, um livro angustiante. Porque Jack é uma criança de cinco anos que não sabe o que sentir o sol na cara, o vento, que há outras crianças como ele. Não sabe o que é correr ou molhar-se à chuva. Nunca viu um escorrega ou um baloiço. Nunca subiu ou desceu umas escadas. Não conhece outras pessoas sem ser a sua mãe. E o Nick Mafarrico que aparece, no quarto onde Jack vive, de vez em quando, mas, mesmo assim, a ele só lhe conhece a voz porque tem de ficar fechado no Guarda Fato quando ele aparece. Para Jack, o mundo reduz-se a um pequeno quarto com uma pequena clarabóia, onde a única visão do resto do mundo é através da televisão. Para Jack, o mundo é aquele quarto.

Através dos olhos de Jack, vamos percebendo como o quarto - apesar de muito pequeno - é enorme. E como o mundo - fora do quarto - pode ser assustador para quem nunca o viu.

Angustiante.

Mas também ternurento porque a história é-nos narrada por uma criança, com toda a sua inocência e ternura, sem maldade ou malícia.

E depois, quando Jack e a mãe saem, finalmente, do quarto, a mesma ternura e inocência no relato do mundo lá fora. Que assusta mas, ao mesmo tempo, atrai.

Este é um livro que - tirando a parte da fuga - se degusta devagarinho, sem a ânsia de querer saber o fim, que pode ser lido calmamente, sem aquela necessidade de se chegar ao fim para saber como acaba. E é, acima de tudo, um livro que recomendo a todos, principalmente aos que se queixam do pouco que tem, para que percebam como se consegue, do pouco, fazer muito.

(leia aqui as primeiras páginas)

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Junho 2017

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930