Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Um mundo sem fim

por Magda L Pais, em 19.10.18
 

Um mundo Sem Fim - Ken Follett

Dois volumes

Editado em 2008 pela Editorial Presença

Lidos em 2013

Sinopse

À semelhança de Os Pilares da Terra, Ken Follett volta ao registo do romance histórico, numa obra dividida em duas partes graças às quase mil páginas que a compõem. A Presença publica agora o primeiro volume de Um Mundo Sem Fim, que se prevê repetir o sucesso de Os Pilares da Terra. O autor sentiu-se bastante motivado a escrever este novo livro já que desde Os Pilares da Terra, publicado em 1989, os leitores de todo o mundo clamavam insistentemente por uma sequela. Finalmente Follett inspirado e com coragem e determinação, sem esquecer uma enorme dedicação, lançou-se na escrita de Um Mundo Sem Fim, a continuação de Os Pilares da Terra, onde recorre a elementos comuns do primeiro livro e dá vida a descendentes de algumas personagens. Recuperando a mesma cidade Kingsbridge, o cenário é ambientado dois séculos mais tarde onde nos transporta até 1327. Aí iremos ao encontro de quatro crianças que presenciam a morte de dois homens por um cavaleiro. Três delas fogem com medo, ao passo que uma se mantém no local e ajuda o cavaleiro ferido a recompor-se e a esconder uma carta que contém informação secreta que não pode ser revelada enquanto ele for vivo. Estas crianças quando chegam à idade adulta viverão sempre na sombra daquelas mortes inexplicáveis que presenciaram naquele dia fatídico. Uma obra de fôlego com a marca assinalável e absolutamente incontornável de Ken Follett.

A minha opinião

Ken Follett é um dos meus autores favoritos desde que li Os Pilares da Terra. Um Mundo Sem Fim é, supostamente, a sequela d’Os Pilares da Terra mas, na verdade, o que une estes livros é o local da acção, Kingsbridge e uma das famílias que é descendente muito afastado de Tom Pedreiro, mais exactamente de Martha, a filha mais nova de Tom.

O primeiro volume inicia-se em 1 de Novembro de 1327, altura da Feira do Velo no priorado. Gwenda, Caris, Ralph e Merthin são quatro crianças, com idades muito próximas e que não se conhecem. Nesse dia as suas vidas vão-se cruzar com Thomas, um cavaleiro que esconde um segredo, o que terá efeitos que se irão sentir para o resto das suas vidas.

Kingsbridge continua a estar ligada ao priorado cujo prior falece em sequência dum acidente. Nessa altura começam os jogos de poder dentro do priorado o que acaba por afectar toda a cidade. Aliás, o forte deste livro são mesmo as lutas por poder, dentro do priorado, entre o priorado e o convento de freiras que nasceu ao lado da catedral construída por Tom e Jack nos Pilares da Terra, assim como entre a Guilda Paroquial e o priorado.

Acompanhamos o crescimento destas crianças num ambiente medieval, com todas as nuances próprias dessa época, com a caça às bruxas, o rebaixamento das mulheres que eram consideradas abaixo dos homens.

Este primeiro volume termina em Maio de 1339

Escrito com a qualidade a que o autor nos habituou, é, sem dúvida, um livro a ler e a reler. Comecei o segundo volume de imediato porque a ânsia de saber o que o futuro reserva a todos os personagens, sejam eles bons ou maus, é imensa.

No segundo volume d’Um Mundo sem Fim continuamos a acompanhar a vida de Gwenda, Caris, Ralph e Merthin, as quatro crianças que conhecemos no primeiro volume. O volume inicia-se com o princípio da peste negra que tanta gente ceifou na idade média. Percebemos, conforme vamos avançando na leitura, como é que a peste matou tanta gente, porque é que se espalhou com tanta facilidade e, acima de tudo, sentimos a impotência que foi lutar contra uma doença bastante mortal que muitos acreditavam ser um castigo de Deus.

Assistimos ainda à mudança de mentalidades, quer da Igreja quer dos populares, quer aceitando melhor a intervenção das mulheres – que, até essa altura, eram descriminadas e quase que ignoradas pela sociedade em geral – quer em termos de higiene.

A peste vai matar algumas das personagens que nos acompanharam no primeiro livro e algumas das novas que são introduzidas neste volume. Leva alguns dos “bons” mas também dos “maus” provando, mais uma vez, que a morte, seja ela induzida da forma que for, é democrática e não escolhe quem quer levar.

Quando lemos a última página e fechamos o livro, fica uma sensação de vazio. Aliás como na maior parte dos livros deste autor, cada livro sabe-nos a pouco, apesar das histórias ficarem terminadas e não haver pontas soltas.

Leia aqui as primeiras páginas do primeiro volume e aqui as primeiras páginas do segundo volume

Classificação: 

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

e

Não se esqueçam de nomear os vossos blogues favoritos para os Sapos do Ano 2018

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Outubro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031