Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Filha do Pântano

por Magda L Pais, em 03.11.17

 36118030.jpg

A Filha do Pântano de Karen Dionne

ISBN: 9788491391340

Editado em 2017 pela Harper Collins

Sinopse

Finalmente, Helena tem a vida que merece. Um marido dedicado, duas filhas lindas, um negócio que preenche os seus dias. Mas, quando um presidiário se evade violentamente de uma prisão vizinha, apercebe-se de que foi ingénua ao pensar que poderia deixar para trás os seus piores momentos. Helena tem um segredo: é o resultado de um rapto. O seu pai sequestrou a sua mãe quando esta era adolescente e manteve-a em cativeiro numa cabana remota nos pântanos da Península Superior do Michigan. Sem electricidade, sem aquecimento, sem água canalizada, Helena, nascida dois anos depois do rapto, adorava a sua infância. E, apesar do comportamento por vezes brutal do pai, amava-o... até descobrir exactamente até que ponto uma pessoa podia ser selvagem.

Vinte anos depois, enterrou o passado tão profundamente que nem sequer o marido sabe a verdade. Mas, agora, o seu pai matou dois guardas prisionais e desapareceu num pântano que conhece melhor do que ninguém. A polícia começa a caça ao homem, mas Helena sabe que os agentes não têm qualquer hipótese de o apanhar. Sabe que há apenas uma pessoa que conta com as estratégias necessárias para encontrar alguém preparado para sobreviver a uma catástrofe e a quem o mundo chama «o rei do pântano»... porque há apenas uma pessoa que ele próprio treinou: a sua filha.

A minha opinião

Tenho alguma dificuldade - eu, que sou uma fala barato - em dizer alguma coisa de jeito sobre este livro que mexeu comigo na qualidade de mãe, filha ou mulher. Este é um livro intenso - pouco mais de 24 horas em cerca de 320 páginas, lidas quase de uma penada. Comecei ontem de manhã, acabei hoje ao almoço. Violei a minha regra sagrada de não ler depois de jantar para evitar ficar agarrada ao livro até o acabar. Este é um dos poucos livros que me fez quebrar essa regra com quase 20 anos de existência.

A intensidade deste livro não se mede apenas pelo presente - quando o pai de Helena foge da cadeia e Helena tem de o caçar para não ser, ela própria, a caça. Mede-se também pelas pesadas recordações duma infância diferente, e de um despertar de consciência, quando Helena se apercebe que a sua situação familiar é atípica e fruto dum pai violento e duma mãe forçada.

A Filha do Pântano é também um livro sobre sobrevivência, sobre violência - física e psicológica - sem ser demasiado gráfica, que nos mostra o pior que um ser humano é capaz de fazer a outro, ainda que em nome do amor.

É Helena que narra este livro, a história dela e do pai - porque a história da mãe é dela própria - o que nos ajuda a entrar na mente da personagem, acompanhando as suas dúvidas, o seu crescimento, as dificuldades que teve na integração da sociedade após sair do pântano, enquanto vamos, também, tentando caçar Jacob, o perigoso prisioneiro que é também o pai que Helena amou na infância, que ainda ama, e que, ao mesmo tempo, odeia por tudo o que descobriu que o seu pai fez.

A Filha do Pântano é um livro negro - mas em bom. Em muito bom. Um livro que não se larga sem chegar ao fim, que nos deixa a pensar muito para lá da leitura. Em bom. Em muito bom. 

 

Classificação:

(este livro foi-me oferecido pela Harper Collins em troca duma opinião honesta e sincera)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cartas de Profecia

por Magda L Pais, em 02.11.17

36301344.jpg

Cartas de Profecia de Anne Bishop

Série Os Outros Nº: 5

Editado em 2017 pela Saida de Emergência

ISBN: 9789897730863

Sinopse

Anne Bishop regressa ao mundo de Os Outros, enquanto os humanos lutam para sobreviver na sombra de criaturas poderosas.

Depois de uma insurreição humana ter sido brutalmente abortada pelos Anciãos – uma forma primitiva e letal de Os Outros –, as poucas cidades que os humanos controlam estão dispersas. Os seus habitantes conhecem apenas o medo e a escuridão da terra de ninguém.

À medida que algumas dessas comunidades lutam para se reconstruir, Simon Wolfgard, o líder lobo metamorfo, e Meg Corbyn, a profetisa de sangue, trabalham com os humanos para manter a frágil paz. Mas todos os seus esforços são ameaçados quando uma misteriosa figura humana aparece.

Com os humanos desconfiados em relação a um dos seus, a tensão aumenta, atraindo a atenção dos Anciãos, curiosos sobre o efeito que este predador terá na matilha. Mas Meg já conhece o perigo, pois viu nas cartas de profecia como tudo terminará: com ela ao lado de uma campa.

A minha opinião

No dia do Festival Bang este livro (e a autora) estavam à minha espera. Pronto, não estavam só à minha espera mas isso agora não interessa nada. Depois de mais de uma hora na fila consegui trazer este exemplar autografado

23130975_1941639362743002_1130379676076016448_n.jp

(este e mais cinco...)

Obviamente, logo que terminei Espada de Vidro a escolha teria de recair sobre este livro. Afinal ler um livro de Anne Bishop é quase como regressar a casa, é como viajar para novos mundos, conhecer novas criaturas, viver aventuras sem igual e, em Namid, é também tentar sobreviver aos Outros e não me transformar em carne especial.

Sim, porque é isso - carne especial - que os humanos são neste novo mundo que Anne Bishop criou com a sua capacidade extraordinária de o fazer. Novos mundos, novas geografias, novos relacionamentos e novas personagens. Umas boas, outras más, uns que tem mais influência e outros - normalmente mulheres - que se superam, que, apesar de serem diferentes (como Meg), conseguem ser a Catalisadora.

Jaenelle (na série As Jóias Negras) e Meg. Duas mulheres fortes, com personalidades vincadas e inspiradoras. A mãe de Monty que consegue assustar Lobos e Vampiros, que os obriga a fazer o que ela quer - mesmo que eles nem se apercebam do quanto ela pode ser assustadora. Anne Bishop, além de ser eximia na criação de novos mundos também o é na criação de personagens marcantes, que nos transmitem força.

Cartas de Profecia marca o fim do nosso relacionamento com Meg e Simon. Mas também com Vlad, Tess (que tem um cabelo que daria jeito a qualquer um), com Sam e Skippy. E tudo está bem quando acaba bem, não é o que se costuma dizer? Só que não. Não porque, ao fim de cinco livros, todos eles já são da casa. Rio-me com eles, alegro-me com as suas vitórias e entristece-me que alguém lhes queira mal. Troço por eles e amaldiçoo os seus inimigos. É esta uma das grandes capacidades desta autora que me deixa sempre maravilhada. Faz-me sentir que recebo, em casa, todas as personagens dos seus livros - as boas e as más. Faz-me sentir que estão sentados ao meu lado, enquanto lemos, em conjunto, as suas aventuras e desventuras (na verdade, Simon podia ter vindo na forma humana em vez da forma de lobo. Está calor a mais para ter pelo à minha volta).

E que dizer das Elementais? dei comigo a conversar com Inverno para lhe pedir que nos traga chuva. Sem excessos, aos poucos, mas que nos traga o que mais nos faz falta neste momento - a chuva.

Resta-me agora esperar pela segunda metade de 2018, altura em que sairá (espero!) o sexto volume desta série, com uma história passada noutra localidade de Namid, com outras personagens mas sempre com carne especial. E a ameaça velada:

ainda se verifica uma tolerância atenta de um lado (Outros) e um profundo receio pelos que vivem na noite no outro (Humanos), mas, se tiverem cuidado, os seres humanos sobrevivem.

Quase sempre sobrevivem.

Classificação:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Espada de Vidro

por Magda L Pais, em 29.10.17

28496627.jpg

Espada de Vidro de Victoria Aveyard

Rainha Vermelha #2

ISBN: 9789897730818

Editado em 2017 pela Saída de Emergência

Sinopse

“Se sou uma espada, sou uma espada de vidro, e já me sinto prestes a estilhaçar.”

O novo e eletrificante capítulo da série Rainha Vermelha intensifica a luta de Mare Barrow contra a escuridão que cresceu na sua alma…

O sangue de Mare Barrow é vermelho mas a sua capacidade Prateada, o poder de controlar os relâmpagos, transformou-a numa arma que a corte real tenta controlar. A coroa acusa-a de ser uma farsa, mas quando ela foge do príncipe Maven – o amigo que a traiu –, Mare faz uma descoberta surpreendente: ela não é a única da sua espécie.

Perseguida por Maven, Mare parte para descobrir e recrutar outros combatentes Vermelhos e Prateados que se juntem à batalha contra os seus opressores. Mas Mare encontra-se num caminho mortífero, em risco de se tornar exatamente no tipo de monstro que está a tentar derrotar.

Será que ela vai ceder sob o peso das vidas exigidas pela rebelião?

Ou a traição e a deslealdade tê-la-ão endurecido para sempre?

A minha opinião

Ano e meio depois de ler Rainha Vermelha, o primeiro volume desta série (editado em Setembro de 2015) chegou, finalmente, às bancas portuguesas este Espada de Vidro.

Lamento, honestamente, que tenham passado dois anos entre estes dois brilhantes livros e espero, sinceramente, não ter de esperar mais dois anos pelo terceiro volume e mais quatro pelo quarto volume, ainda para mais considerando o ponto de tensão em que acabou este segundo volume (será que fazer uma manifestação à porta da editora resolverá?)

Sabe, quem me acompanha neste blog, que fantasia é o meu género literário favorito. Assim como sabem que deliro com Anne Bishop (amanhã vos conto como foi o dia de ontem, em que tive oportunidade de a ouvir ao vivo e a cores) e sabem também, claro, que qualquer autor de fantasia que eu leia é, sem grande esforço, comparado a Anne Bishop. É mais forte que eu, não o consigo evitar. Mas, de vez em quando, lá encontro alguém que se aproxima, tal como Brandon Sanderson. Victoria Aveyard não é - ainda - Anne Bishop mas, tal como Brandon Sanderson anda lá perto, o que, confesso, me agrada.

Encontramos, neste livro (assim como no anterior) um mundo dividido entre prateados e vermelhos. Duas castas separadas pelo sangue. Os que tem sangue prateado são dotados de capacidades inatas: obrigar os outros a cumprir instruções dadas mentalmente, criar fogo, manobrar aço, ler mentes, ver o futuro... possibilidades imensas de capacidades usadas, acima de tudo, para obrigar os de sangue vermelho, a vergar à vontade dos prateados. Os vermelhos são os servos, os mineiros, os soldados enviados para a morte. Até que surge Mare, uma sangue vermelho com capacidades prateadas. Uma anomalia genética que - a bem dos prateados - terá de ser eliminada. A todo o custo. Mas além de Mare, há mais sangue vermelho com a mesma anomalia. Resta aos prateados - principalmente ao rei, Maven - eliminar Mare e todos os que se unem a ela.

Este livro começa de forma lenta. Talvez fruto de já terem passado 18 meses desde que li o primeiro, havia algumas coisas que não me recordava mas que, aos poucos, me fui lembrando, tornando a leitura mais fluida e mais interessante (vá, na prática, demorei umas 20 ou 25 páginas a retomar o ritmo). Por fim não o queria largar. Senti-me transportada até à prisão, sentei-me com Mare a conversar com Cameron e quase que ofereci um lenço para as lágrimas que Kilorn quis esconder. Victoria Aveyard tem essa facilidade, de nos transformar em personagens dos seus livros, de nos levar a viver o mesmo que elas. Odiamos Mare e Elara com a mesma intensidade de Cal e quase sentimos o toque de Shade.

São livros assim, que nos fazem viver com as personagens, que nos transportam lá para dentro, para a acção, que eu realmente gosto. E depois, as capas. Estas capas são fabulosas, realmente fabulosas.

Por isso... que esperam para os ler? sei lá, ler já?

Classificação:

(este livro foi-me oferecido pela Saída de Emergência em troca duma opinião honesta e sincera)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

As Lamas do Mississípi

por Magda L Pais, em 22.10.17

as lamas.jpg

As Lamas do Mississípi de Hillary Jordan

ISBN: 9789897730771

Editado em 2017 pela Saída de Emergência

Sinopse

Entre a subtileza e a brutalidade, o preconceito pode assumir muitas formas.

Estamos em 1946 e a citadina Laura McAllan tenta criar os filhos na quinta do seu marido no Mississípi - para ela, um lugar parado no tempo e assustador. Entretanto, no meio das lutas familiares, dois jovens regressam da guerra. Jamie McAllan, cunhado de Laura, é tudo o que o seu marido não é - charmoso, bonito e assombrado pelas memórias dos combates. Ronsel Jackson, filho mais velho dos caseiros negros que vivem na quinta dos McAllan, regressou a casa como herói de guerra. No entanto, independentemente da sua bravura, ele terá de enfrentar batalhas ainda maiores perante o racismo e a intolerância dos seus compatriotas.

É a improvável amizade destes irmãos de armas que guia os acontecimentos, à medida que somos imersos nas lealdades familiares e testemunhamos as paixões e ódios que irrompem no seio de uma comunidade onde a tragédia não se fará esperar…

A minha opinião

Creio que não será exactamente vulgar que um romance de estreia de um escritor seja tão bem sucedido quanto este. As Lamas do Mississípi é um romance forte, pesado, que nos leva às terras do Mississípi pela década de 50 do século XX, logo após a segunda grande guerra e em pleno clima de intolerância para com os negros, considerados seres de segunda ou terceira categoria, aptos apenas para a apanha do algodão:

... Mesmo que eu tivesse dinheiro para comprar uma (máquina de apanhar algodão), não a queria.  Deem-me um apanhador de cor em qualquer altura. Não há nada nem ninguém que consiga fazer um melhor trabalho de apanha. O preto do sul tem a apanha do algodão no sangue. Basta ver as crianças de cor nos campos para vermos isso. Mesmo antes de nos chegarem aos joelhos, os dedos delas sabem o que fazer. É claro que a apanha é como qualquer outra tarefa que lhes dêmos, temos de estar sempre de olho neles, para nos certificarmos que não estão a enganar-nos...

É neste clima que conhecemos Henry, Jamie, Laura, Harper, Rossie e Florence, as personagens que nos contam a sua versão da mesma história que começa (ou talvez acabe) com o funeral do pai de Henry e Jamie, um velho embirrento, racista e antipático.

Hillary Jordan transporta-nos, como por magia, para um mundo que achamos distante, para vivenciar situações que nos irritam e outras que nos deixam com esperança. Vivemos, por algumas páginas, num mundo que, além de racista, rebaixava as mulheres, considerando-as posse dos seus maridos, incapazes... quase ao nível dos negros. Agora imaginem o que seria ser mulher e negra?

As Lamas do Mississípi é um livro sobre relações. Entre brancos e negros, entre homens e mulheres. Entre pessoas da mesma família. É a história dum casamento, da dinâmica familiar e das relações entre fazendeiros e rendeiros. De injustiças, racismo e do papel das mulheres numa sociedade em que os homens brancos achavam-se superiores a quem não o fosse. Ao dar-nos a conhecer o que cada um dos seis narradores pensa sobre os acontecimentos, tornamos-nos parte do livro, envolvemos-nos com as personagens que amamos e odiamos.

As Lamas do Mississípi é um livro que custa a acabar, que sentimos que vai fazer parte de nós. E é, acima de tudo, um livro a ler, principalmente por quem procura um livro inteligente, humano e maravilhoso. E é também a esperança que a autora continue a escrever desta forma brilhante, que eu cá estarei para a ler.

Classificação:

(este livro foi-me oferecido pela Saída de Emergência em troca duma opinião honesta e sincera)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Origem

por Magda L Pais, em 20.10.17

origem.jpg

Origem de Dan Brown

ISBN: 9789722534208

Editado em 2017 pela Bertrand Editora

Sinopse

Bilbau, Espanha.

Robert Langdon, professor de simbologia e iconologia religiosa da universidade de Harvard, chega ao ultramoderno Museu Guggenheim de Bilbau para assistir a um grandioso anúncio: a revelação da descoberta que «mudará para sempre o rosto da ciência.» O anfitrião dessa noite é Edmond Kirsch, bilionário e futurista de quarenta e dois anos cujas espantosas invenções de alta tecnologia e audazes previsões fizeram dele uma figura de renome a nível global.

Kirsch, um dos primeiros alunos de Langdon em Harvard, duas décadas atrás, está prestes a revelar um incrível avanço científico… que irá responder a duas das perguntas mais fundamentais da existência humana. No início da noite, Langdon e várias centenas de outros convidados ficam fascinados com a apresentação tão original de Kirsch, e Langdon percebe que o anúncio do amigo será muito mais controverso do que ele imaginava. Mas aquela noite tão meticulosamente orquestrada não tardará a transformar-se num caos e a preciosa descoberta do futurista pode muito bem estar em vias de se perder para sempre.

Em pleno turbilhão de emoções e em perigo iminente, Langdon tenta desesperadamente fugir de Bilbau. Tem ao seu lado Ambra Vidal, a elegante diretora do Guggenheim que trabalhou com Kirsch na organização daquele provocador evento. Juntos, fogem para Barcelona, com a perigosa missão de localizarem a palavra-passe que os ajudará a desvendar o segredo de Kirsch.

Percorrendo os escuros corredores de história oculta e religião extremista, Langdon e Vidal têm de fugir de um inimigo atormentado que parece tudo saber e que parece até de alguma forma relacionado com o Palácio Real de Espanha… e que fará qualquer coisa para silenciar para sempre Edmond Kirsch.

Numa viagem marcada pela arte moderna e por símbolos enigmáticos, Langdon e Vidal vão descobrindo as pistas que acabarão por conduzi-los à chocante descoberta de Kirsch… e a uma verdade que até então nos tem escapado e que nos deixará sem fôlego.

A minha opinião

No passado domingo tive a grata oportunidade de ir ver e ouvir Dan Brown no CCB em Lisboa e foi precisamente no domingo que comecei a leitura deste livro. Apesar de o ter comprado ainda em pré-venda, quis deixar para o começar depois de ouvir o autor, calculando (e não me enganei) que, após o ouvir, ainda me iria saber melhor ler o livro.

Soube melhor mas, na realidade, também soube a pouco.

De onde vimos, para onde vamos. As duas questões que tanto dividem as religiões e que levaram a guerras entre quem conta a história de maneira diferente. Mais uma vez Dan Brown volta a questionar dogmas e verdades feitas, insistindo, desta vez, na criação do ser humano - evolução ou descendentes de Adão e Eva? E, se na origem da nossa espécie, há dúvidas e perguntas, que dizer do que nos reserva o futuro e das opiniões divergentes que a religião e a ciência apresenta?

Dan Brown não sai, neste livro, da sua zona de conforto. A formula do Código da Vinci funcionou e continua a funcionar (desconfio que Dan agora já pode pagar um jantar à mulher - quem esteve no CCB perceberá). O problema é que a zona de conforto de Dan Brown implica um confronto com as crenças mais básicas do catolicismo, obrigando-nos - a todos - a reflectir sobre essas mesmas crenças e sobre os mitos, mais ou menos credíveis, que as religiões, todas elas, nos tentar incutir.

Se, com o Código da Vinci, um padre conseguiu reunir quase 800 pessoas para discutir a obra (foi o próprio autor que nos contou isto no CCB), creio que Origem irá voltar a ter esse mesmo efeito. Porque, apesar do nosso futuro enquanto espécie parecer negro, Origem levanta-nos o animo e mostra que esse mesmo futuro - mais tecnológico, mais cientifico - pode também ser mais brilhante. Implicará isso o fim das religiões, das crenças, de acharmos que há uma entidade maior que nós próprios? isso, só o futuro o dirá, aquele que estamos hoje a desenhar e do qual Dan Brown nos mostra qui algumas luzes.

(leia aqui as primeiras páginas)

Classificação:

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Setembro 2020

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930