Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Últimas leituras

por Magda L Pais, em 19.07.20

Capturar.PNG

Isto de estar em teletrabalho - por melhor que seja em vários aspectos - acaba por me cortar os tempos que tinha para ler e para escrever aqui no blog.

Comecei as férias há uma semana  e pensei que ia ter mais tempo para ler. Mentira gorda que, logo no primeiro domingo, resolvi esbarbardar-lhe escadas abaixo (desci 3 degraus de pedra com o rabo). Valeu-me ser gordinha e o degrau se ter partido. Se assim não fosse, as consequências podiam ter sido bem piores. Assim, fiquei com nódoas negras nas nádegas, com dores e com o orgulho ainda mais magoado. O resultado: esta semana não consegui ler quase nada.

Resoluções para os próximos tempos: não cair das escadas, voltar a ler como dantes e voltar aqui ao blog para partilhar convosco as minhas opiniões sobre os livros.

Desde a última publicação (há mais de um mês) li os cinco livros acima. Aqui ficam, resumidamente, as minhas opiniões:

A Trilogia da Neblina de Carlos Ruiz Zafón - comecei esta leitura dois dias antes da morte do autor. São 3 livros independentes onde a magia e a acção se misturam com personagens inesquecíveis, tendo, como único elo é um ser maligno. Com a mestria que lhe era única, Zafón prende-nos da primeira à última página, enquanto torcemos para que o bem vença.

Classificação -

A Confraria de John Grisham - sou fã deste autor e comecei este livro com as expectativas altas. Fiquei desiludida. A história podia ter tudo para nos prender mas tal não acontece. As personagens são demasiado superficiais e algumas partes parecem forçadas. Calculo que todos temos direito a um dia mau e os escritores também tem direito a um mau livro...

Classificação -

Algo Maligno Vem Aí de Ray Bradbury - Supostamente este livro é de terror. Só que - para mim - terror foi conseguir chegar ao fim (juro que tentei, até às últimas páginas, gostar deste livro) sem sucesso.

Classificação -

Frankenstein de Mary Wollstonecraft Shelley - Alguém por ai não conhece a história do monstro criado por Victor Frankenstein? Se não conhecem, façam um favor a vós mesmos. Leiam este livro. Ou vejam os filmes. Ou melhor ainda, leiam o livro e vejam os filmes (principalmente o filme de 1931 com o actor Boris Karloff). Só o facto de conhecer bem a história me fez aproveitar bem o livro e conseguir ler com calma. Sem dúvida que, apesar de escrito em 1818, consegue abordar alguns temas sempre actuais - principalmente a necessidade de enfrentarmos as consequências dos nossos actos.

Classificação -

O Enigma do Quarto 622 de Joël Dicker - Sou fã de Joël Dicker e nunca me hei-de esquecer do Momento muito Ups na Feira do Livro. Seguramente que A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert é o melhor livro de Joël Dicker mas este Enigma não fica longe, até pelo facto de que a personagem principal é, precisamente, Joël Dicker. Viajamos no tempo entre o passado e o presente enquanto o enigma se vai adensando. Surgem respostas que são seguidas de mais perguntas. Apesar do tamanho do livro que poderia intimidar, lê-se num ápice porque ficamos presos na história e nas personagens (se bem que uma delas dá vontade de lhe bater. Com um gato morto. Congelado. Até o gato miar). Vale seguramente a pena. E no fim, fiquei com vontade de ler E tudo o Vento Levou. Mas infelizmente o livro que tenho cá em casa é de 1965 e as páginas estão em risco de se rasgar. E as versões que encontro on line tem as letras tão pequeninas que é quase impossível ler.

Classificação -

 

May we meet again

 Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Conheces o meu blog generalista?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tempo de Matar

por Magda L Pais, em 26.05.20

tempo de matar.jpg

Tempo de Matar de John Grisham

Jake Brigance #1

Tradução de Aulyde Soares Rodrigues

ISBN: 9789722528344

Editado em 2015 pela Bertrand Editora

Sinopse

A vida de uma menina negra de dez anos termina às mãos de dois jovens brancos, bêbedos e sem remorsos. A população de Clanton, maioritariamente branca, reage com choque e horror a este crime desumano. Até que o pai da menina pega numa arma e decide fazer justiça com as suas próprias mãos.

Durante dez dias, ardem cruzes por toda a cidade de Clanton e o país aguarda, com grande expectativa, o desfecho deste caso, enquanto Jake Brigance, o advogado de defesa, tenta desesperadamente salvar a vida do seu cliente - e depois a sua.

A minha opinião

Sou fã incondicional de John Grisham. E este Tempo de Matar andava ali a marinar há algum tempo porque achava que o tema - a violação e quase morte duma criança de 10 anos por dois gandulos - demasiado chocante (o que raio se passará na cabeça de quem o faz??)

Desta vez coube ao meu filho pegar num dos livros da estante da vergonha e veio este. Tempo de Matar foi o primeiro livro que John Grisham, baseando-se na sua experiência em tribunal. Nota-se, por isso, alguma imaturidade na escrita e a necessidade de melhor construir algumas personagens. Mas percebe-se que a genialidade deste autor está ali, à espreita.

Tempo de Matar deixa-nos a pensar: e se fossemos nós? e se fosse a nossa filha a ser violada e tivéssemos uma oportunidade de matar quem o tinha feito? o que faríamos? e seriamos julgados de forma diferente consoante a cor da nossa pele?

Gosto de livros que nos fazem pensar, que nos deixam um amargo de boca. E que, ao mesmo tempo, nos deixam ver o crescimento dos autores.

A ler!

leia aqui as primeiras páginas

Classificação:

May we meet again

 Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Conheces o meu blog generalista?

Neste momento que vivemos, precisamos de manter a calma e a prudência, de lavar e desinfectar as mãos, evitar contactos sociais, reduzindo as saídas de casa ao imprescindível e não ir a correr para os hospitais por uma unha encravada, ao primeiro sinal de febre (superior a 37,5) ou tosse. São tempos difíceis mas só unidos e tendo em atenção as recomendações oficiais, podemos sair disto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Advogado Mafioso

por Magda L Pais, em 26.12.18

30822892.jpg

O Advogado Mafioso de John Grisham 

Tradução de Fernanda Oliveira

ISBN: 9789722532075

Editado em 2016 pela Bertrand Editora

Sinopse

Sebastian Rudd não é o típico advogado da rua. Tem o seu escritório numa carrinha à prova de balas, munido de wi-fi, um bar, um pequeno frigorífico, assentos de cabedal, um compartimento escondido para a arma e um motorista armado até aos dentes. Não pertence a uma firma, não tem sócios, nem associados. O seu único funcionário, o motorista, é também seu guarda-costas, administrativo, confidente e caddy no golfe. Vive sozinho numa penthouse pequena, mas extremamente segura, e a sua principal peça de mobiliário é uma mesa de bilhar vintage. Bebe bourbon e anda armado.

Sebastian defende pessoas de quem os outros advogados nem sequer se aproximariam: um miúdo cheio de tatuagens na pele e drogas no corpo, que diz pertencer a um culto satânico, acusado de abusar sexualmente de duas meninas e de as matar; um perverso chefe do crime organizado que agora se encontra no corredor da morte; um homem preso por disparar contra uma equipa das forças especiais SWAT, que lhe invadiu a casa por engano. Porquê estes clientes? Porque ele acredita que toda a gente tem direito a um julgamento justo, mesmo que para tal ele, Sebastian, tenha de fazer batota.

Detesta injustiças, não gosta de seguradoras, bancos ou grandes empresas; desconfia do governos a todos os níveis e ri-se do conceito de ética do sistema judicial. Sebastian Rudd é uma das personagens mais coloridas e ousadas de Grisham.

A minha opinião

Sou fã incondicional de John Grisham  de quem já li uns quantos livros. Mas este, confesso, desiludiu-me um pouco.

O Advogado Mafioso é, basicamente, um livro de contos, interligados entre si, com Sebastian Rudd como personagem principal. E nem sequer é a melhor personagem criada por Grisham.

A maestria da escrita está lá, é claro. Um bom autor consegue sempre - mesmo nos seus piores livros - deixar o seu cunho mas, claramente, não estava inspirado quando escreveu este livro, tanto que, no final, em vez dum fim claro, dá a sensação que chegou ao fim dum normal dia de trabalho e disse: não me apetece escrever mais e pronto. Nem sequer percebeu que o final nem parece um final.

Enfim, creio que todos os autores podem ter um dia mau...

Classificação 

leia aqui as primeiras páginas

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Autoria e outros dados (tags, etc)

A - Autor preferido

por Magda L Pais, em 11.08.17

alfabeto-literario.jpg

A resposta a esta questão terá de ser dividida em duas partes. O autor e a autora.

No lado masculino, subsistem algumas dúvidas na minha mente. Apesar de apenas ter lido quatro livros, foram os suficientes para que Brandon Sanderson tomasse de assalto o podium dos autores favoritos. Mas John Grisham também está nesse topo (mas talvez apenas li mais livros dele).

No caso da autora, o podium é dividido entre as duas mestras do fantástico. Entre Anne Bishop e Juliet Marillier tenho sempre dificuldade em dizer qual a que prefiro. 

 

Por 26 dias, eu, a JustMaria João CovasSofia GonçalvesMulaAlexandraDrama QueenCaracolGorduchitaB♥Sandra.wink.wink, Fátima Bento, Happy, Carla B. e Princesa Sofia respondemos a 26 perguntas sobre livros, tendo como mote o alfabeto. Às segundas, quartas e sextas, às 14h, não se esqueçam de cuscar as nossas respostas, em cada um dos blogs. Ou consultem aqui todos os posts publicados no Sapoblogs com esta tag (não consigo colocar aqui as tags da blogspot).

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Firma

por Magda L Pais, em 05.08.17

afirma.jpg

A Firma de John Grisham

Editado em 2012 pela Bertrand Editora

ISBN9789722524957

Sinopse

Mitchell McDeere, um jovem e ambicioso recém-formado em Direito na prestigiada Universidade de Harvard, acaba de ser contratado pela Bendini, Lambert & Locke, uma firma exclusiva de Memphis. Para Mitch e Abby, a sua mulher, acabaram-se as preocupações financeiras: além do salário chorudo, a firma entregou-lhe as chaves de um BMW novinho em folha, concedeu-lhe uma vantajosa hipoteca para a compra de uma bela vivenda, liquidou os empréstimos contraídos para pagar os estudos e até contratou uma decoradora para os ajudar.

Mas Mitch devia ter-se lembrado do que o seu irmão Ray, a cumprir uma pena de quinze anos numa prisão, já sabia: não se recebe o que quer que seja sem dar nada em troca. E agora o FBI está empenhado em destruir a firma e precisa da ajuda de Mitch. Encurralado entre a espada e a parede, a única opção que lhe resta é lutar para salvar a própria vida.

A minha opinião

John Grisham é um dos meus autores favoritos. Foi com ele (mais exactamente com Os Litigantes) que tive uma das situações mais engraçadas... deixei passar a minha estação de metro e só sai na última paragem da linha.

Por norma são livros passados com advogados (é curiosa essa tendência deste autor) e mostra um outro lado da advocacia. Bom, talvez nem todos estejam envolvidos com a Máfia, como é o caso deste...

Grisham sabe como desenvolver as personagens, como as caracterizar e como nos prender. Sabe exactamente o que deve contar, o que deve deixar subentendido e, acima de tudo, como interligar o que se vai passando. Não nos conta tudo, deixa-nos quase em stress. E, mais uma vez, neste livro, junta também um sentido de humor peculiar bem como algum sarcasmo.

A formula é repetida em todos os seus livros. Voltas e reviravoltas. Os bons vencem os maus. Mas resulta sempre. Sabemos como vai acabar (a vitória dos bons) mas queremos saber como. Porque quase sempre estão ali, quase quase a ser apanhados e nós estamos a torcer por eles.

Não vi o filme. Aliás, confesso que só agora descobri que havia um filme. Parece-me que sim, que é um livro perfeito para um filme, afinal tem todos os ingredientes.

Mais uma vez, não fiquei desiludida com este livro. Talvez não seja o melhor livro deste autor mas lê-se muito bem e não o queremos largar enquanto não sabemos como termina. E isso é quase tudo o que quero dum livro.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Setembro 2020

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930