Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Cidade dos Espelhos

por Magda L Pais, em 02.11.19

cidade dos espelhos.jpg

A Cidade dos Espelhos de Justin Cronin

A passagem #3

Sinopse

Num futuro em que todas as regras foram mudadas, é hora de cada um encontrar o próprio destino. Ano 100 D.V.: após a destruição dos Doze e de seus Muitos, nenhum viral foi visto nos últimos três anos. As fortalezas que protegiam os últimos humanos dos infectados começam a parecer desnecessárias.

Na República do Texas, as vigílias constantes já não encontram inimigos e o controle de natalidade se mostra um contrassenso quando há todo um continente vazio à espera de ser repovoado.

Com novas demandas do povo surgindo a cada dia, o presidente Peter Jaxon decide levar adiante a ideia de abrir os portões da cidade fortificada e dar início à reconstrução do que um dia foi um país de milhões de habitantes.

Mas a atmosfera de calmaria é apenas parte de um plano maligno. Fanning, o Zero, aquele que deu início ao caos, esteve pacientemente aguardando em sua eternidade pelo momento em que as vítimas finais baixariam a guarda. Seu exército está pronto e, em suas fileiras, as armas são garras e presas e a motivação é a sede de sangue.

Para fechar essa tão esperada trilogia, Justin Cronin construiu um conto de sobrevivência e fé, em que os limites entre o bem e mal são postos à prova e um questionamento inquietante permeia cada página: o que nos torna humanos, afinal?

Amy Harper Bellafonte. A Garota de Lugar Nenhum. Para derrotar os Doze e salvar as pessoas que amava, ela abriu mão de sua humanidade e se transformou num viral, uma criatura sedenta por sangue. Depois disso, ninguém sabe o que aconteceu com ela.

Porém seu sacrifício pode não ter sido suficiente. Anos se foram e antigos perigos estão de volta.

Sem Amy e a força de sua bondade, como será possível resistir aos ataques do inimigo?

Neste fim emocionante de uma saga épica que percorre continentes e narra um milénio da história de uma humanidade diante da destruição e da redenção, Justin Cronin nos mostra o mundo que temos e um que poderíamos ter e nos põe diante do desafio de permanecer humano quando ceder ao mal se mostra a opção mais fácil.

A minha opinião

Já todos ouvimos aquela velha expressão: o que é demais enjoa, não é verdade? pois que me lembrei dela várias vezes enquanto lia este livro que termina a trilogia iniciada com A Passagem e cujo segundo livro é Os Doze.

Infelizmente a qualidade dos livros seguiu a ordem inversa. O primeiro é fabuloso, o segundo é bom e mais de metade do terceiro era dispensável.

Demasiada informação dispersa e dispensável. Esta é a razão principal para este terceiro livro não ser excelente, até porque o final é simplesmente perfeito - Spoiler alert: a humanidade sobrevive! Aliás, tive muita dificuldade em largar o livro nas partes finais. Mas noutras partes... tive dificuldade em ler.

Gosto da forma como o passado, o presente e o futuro se misturam, da forma como sofremos com Amy e as restantes personagens e como o fim escolhido para cada um é exactamente o que merecem ao longo do livro. Gosto da forma como tudo se encaixa.

Amy, Peter, Alicia, Michael, Sara e Hollis. Calleb e Prim. Carter e Zero. Personagens profundas e complexas que sentimos como nossas.

Nota: livro não editado em Portugal

Classificação: 

May we meet again

Conheces o desafio de escrita dos Pássaros?

Já podes votar nos finalistas dos Sapos do Ano 2019

 Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Conheces o meu blog generalista?

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De omeumaiorsonho a 02.11.2019 às 11:29

Obrigada pela partilha!
Não conhecia!

De Magda L Pais a 02.11.2019 às 11:51

Só este é que não foi editado em Portugal. Os outros foram. Valem a pena

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Novembro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930