Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Escrava

por Magda L Pais, em 02.05.16

18721190.jpg

Escrava de Damien Lewis e Mende Nazer

Editado em 2005 pela Dom Quixote
ISBN: 9789722028233
 
Sinopse
As memórias deMendeNazer, uma nubiana feita escrava.

A história desta corajosa e decidida mulher não é contudo uma história passada e remota. Tudo aconteceu em 1994 quando um grupo de mujahiddin atacou a sua aldeia. Os adultos foram mortos, as crianças levadas como escravas.
Durante sete anos ela serviu numa casa tendo depois sido passada a familiares que viviam em Londres. Na capital europeia conheceu outros sudaneses e com a ajuda do jornalista Damien Lewis conseguiu fugir. Este é o seu relato de denúncia. O seu grito por justiça e liberdade.

 

A minha opinião

Este não é, seguramente, um livro de leitura fácil. É um livro que é pesado, forte e um grande murro no estômago. Mas, ao mesmo tempo, é terno e apaixonante.

Aos 12 anos (pensa-se que teria 12 anos, uma vez que os Nuba não festejam os aniversários nem tem registo dos nascimentos), Mende é capturada na sua aldeia por um grupo de mujahiddin. É violada pelo seu captor e depois entregue a um comerciante de escravos que a vende a uma família sudanesa que a maltrata desde o primeiro dia. Mende, aos poucos, vai percebendo que deixou de ser livre e passou a ser uma coisa. Mais um objecto que aquela família tem em casa. Ao mesmo tempo que Mende nos conta o que sofre, partilha também connosco as recordações da infância, o seu sonho de estudar para ser médica e como era feliz e amada até à noite em que o pesadelo começou.

Uns anos mais tarde, Mende é enviada como se fosse uma mercadoria para uma família em Londres onde a violência, apesar de ser mais psicológica que física, a leva a pensar em por termo à vida. Um dia, ajudada por outro nubiano e um jornalista inglês, Mende consegue fugir e pede asilo. Que não lhe é concedido de imediato porque... pasmem-se, a escravatura não era reconhecida como violência... 

Os relatos da violência cometida contra Mende tornam este livro pesadíssimo. Mas confesso que a parte que mais me impressionou e que quase me levou a vomitar o pequeno almoço foi o relato da circuncisão (que aconteceu ainda na aldeia e um ou dois anos antes do rapto). Mende foi sujeita a infibulação, a forma mais grave e que consiste na costura dos lábios ou do clítoris, impedindo a menstruação e frequentemente levando a mulher à morte. E isto por volta das 10/11 anos de idade... Simplesmente pavoroso pensar o que as crianças sofrem, a sangue frio, em nome duma religião que, na realidade, não o exige.

Seria bom que mais pessoas lessem este livro, que políticos o lessem e que percebessem que esta história não aconteceu no século XIV ou XI. Passou-se em 1994 e Mende só se conseguiu libertar no ano 2001. E que ainda há imensas crianças escravas no Sudão e na Somália que precisam de ser libertas. Crianças tratadas como lixo, como objectos e que não se conseguem libertar.

Se calhar valia a pena pensar nisto...

 

 

 

 

 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

De anacb a 02.05.2016 às 11:19

infelizmente, a excisão e a infibulação continuam a ser prática corrente em vários países africanos e até em algumas comunidades em países europeus :-(
mais uma prova de que muitos dos males sociais provêm da ignorância, e quase se institucionalizam - neste e noutros casos - porque ao género masculino (com a devida ressalva para as excepções, que já são muitas) na maioria das sociedades ainda continua a interessar que o género feminino continue a "jogar com uma carta a menos" (como costumava dizer a minha avó).

De Magda L Pais a 06.05.2016 às 13:49

fazem-no em nome duma tradição que ninguem entende e que coloca em risco as adolescentes e o nascimento de crianças. 

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031