Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 7348869.jpg

A vida na porta do frigorífico de Alice Kuipers

ISBN: 978-972-23-4246-9

Editado em 2009 pela Presença

Sinopse

Claire e a mãe vivem na mesma casa, mas, para todos os efeitos, é como se vivessem em planetas diferentes.

Claire tem quinze anos e uma vida imprevisível como qualquer adolescente, enquanto a mãe, uma obstetra dedicada, se vê muitas vezes absorvida por urgências no hospital.

As duas raramente se cruzam, e a porta do frigorífico acaba por se tornar a plataforma de contacto onde deixam recados uma à outra e se vão mantendo informadas acerca dos acontecimentos das suas vidas.

Mas um dia Claire depara-se com um recado diferente do habitual, e a partir daí terá de lutar contra a distância que a separa da mãe e contra o tempo que se esgota...

A opinião da Magui Ferreira

Na contra-capa do livro somos informados de que se trata duma narrativa despretensiosa, na altura em que o li era isso que me interessava, um livro “levezinho”, simples, com uma linguagem fluída para ler nas férias.

Não é o livro da minha vida, mas, curiosamente quando surgiu o convite da Magda lembrei-me imediatamente dele.

Porque o seu despojamento me cativou e a história entre mãe e filha, não sendo a minha realidade, me remeteu igualmente para o turbilhão de sentimentos que conheço bem.

As personagens podiam ser igualmente um pai e um filho, amigos, companheiros, cônjuges, porque o essencial é a relação existente entre duas pessoas que se amam.

Numa época em que o mundo gira à volta do digital, em que vamos comunicando uns com os outros através das redes sociais, é curioso constatar que ao mesmo tempo que esta mãe não tem telemóvel, também não tem disponibilidade para a filha adolescente, engolida que está pelo trabalho que é incompatível com os horários de Claire.

Não deixa de ser irónico que na era da comunicação, elas comuniquem através de recados deixados na porta do frigorífico.

O livro permite-nos entrar sem pudor naquela cozinha partilhada por mãe e filha, e ficar a conhecê-las através do que vão escrevendo uma à outra, sem nunca se cruzarem.

Sentimos a culpa da mãe, a revolta da filha, a frustração e o medo das duas, mas também o afecto, a cumplicidade.

E esperamos que num qualquer momento elas se encontrem perante nós e que os recados cedam lugar a um sorriso, um abraço, um bom dia de viva voz e vamos mantendo a esperança que isso aconteça.

Um livro comovente que nos leva a (re)pensar a forma como nos relacionamos com os outros, principalmente com aqueles que amamos.

É uma chamada de atenção, para aquilo que no fundo todos sabemos mas vamos ignorando. A vida é imprevisível e num instante o controlo que julgamos ter sobre ela nos foge irremediavelmente.

Leiam aqui as primeiras páginas

Classificação: 

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

(às 9h30 de segunda feira, leituras alheias traz-vos opiniões sobre livros de outros bloggers ou amigos)

e

Não se esqueçam de nomear os vossos blogues favoritos para os Sapos do Ano 2018

Autoria e outros dados (tags, etc)


10 comentários

De amarquesademarvila a 29.10.2018 às 14:05

Fiquei muito curiosa... um tema muito relevante!

De Magda L Pais a 30.10.2018 às 07:05

E somos duas

De Magui Ferreira a 29.10.2018 às 18:30

Obrigada Magda.
Beijinho

De Magda L Pais a 30.10.2018 às 07:05

Obrigado eu

De Pequeno caso sério a 29.10.2018 às 21:23

Mais um para a lista...
Vocês são a minha ruína.

De Magda L Pais a 30.10.2018 às 07:06

Como te compreendo

De O ultimo fecha a porta a 30.10.2018 às 00:16

não conheço mas parece interessante

De Isa Sá a 30.10.2018 às 08:53

Não conhecia. Tenho andado um pouco afastada da leitura!

De Magda L Pais a 03.11.2018 às 12:08

eu fiquei com vontade de o conhecer mais

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Outubro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031