Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Leitura Alheia: Jogos de Raiva

por Magda L Pais, em 17.09.18

40056318.jpg

Jogos de Raiva de Rodrigo Guedes de Carvalho

ISBN: 9789722065047

Editado em 2018 pela Dom Quixote

Sinopse

Um homem levanta a voz acima da algazarra de conversas. E pede que ponham mais alto o som do televisor do restaurante. É então que todos reparam no que ele vê. Não percebem ou não acreditam. E na rua, no bairro, na cidade, no país, homens, mulheres e crianças vão-se calando. Está por todo o lado, a imagem horrível e hipnotizante. O homem que pediu silêncio leva as mãos à cara e pensa: como chegámos aqui?

A era da comunicação global trouxe inimagináveis maravilhas. Partilhas imediatas de ensinamentos, denúncias e solidariedades. Mas permitiu também que saísse das cavernas uma realidade abjecta. Insultos, ameaças, ironias maldosas. Nunca, como hoje, a semente do ódio foi tão espalhada.

É sobre este pano de fundo que se conta a história de uma família. Três gerações a olhar para um futuro embriagado num estado de guerra. Uma família que esconde, enquanto puder, um segredo.

Jogos de Raiva traça duros retratos sem filtro sobre medos e remorsos, sobre o racismo, a depressão, a sexualidade, o jornalismo, a adopção, a arte e a amizade. E o poder das histórias.

É sobre a urgência da confiança, da identidade e do amor.

É um livro sobre todos nós, à deriva num novo mundo.

A opinião da Pequeno Caso Sério

A (minha) Sinopse: 

Uma família que podia ser a minha. Ou a tua.

Segredos que a vida se encarrega de revelar...mesmo quando pensamos que jamais serão descobertos.

Remorsos. Esses sacanas que nos corroem .

Conflito de gerações.

Homossexualidade.

Deficiência. Ou diferença. Ou será lucidez? 

Racismo.

O "Eu" que mostro ao mundo e o "Eu" que realmente sou.

Amizade enquanto forma mais pura de amor.

Um livro sobre gente que procura (desesperadamente) saber quem é.

A minha opinião

Rodrigo Guedes de Carvalho, jornalista,  entra-nos casa adentro sem pedir licença. E não precisa. É da casa e os da casa não precisam de convite.

Rodrigo Guedes de Carvalho, romancista, entra-nos coração (e cabeça) adentro sem pedir licença. Chega. Instala-se. Fica. Por muito tempo. Mesmo quando o livro já acabou.

Faz-nos pensar. Refletir. Admitir que o que se passa nesta história nós também já fizemos/ dissemos. E por isso esta história se torna tão nossa.

Numa linguagem muito acessível, mas em que a escolha das palavras é feita com uma mestria irrepreensível, Rodrigo Guedes de Carvalho tece uma viciante história em que só lamentamos uma coisa: ter chegado ao fim. 

E depois há a história dentro da história. Um “fantoche" absolutamente delicioso que me fez dar gargalhadas num hospital muitos decibéis acima do recomendável.

Tenho dois hábitos meio parvos em relação aos livros:

1- assino sempre a página com um determinado número.

2- uso um marcador fluorescente para sublinhar as passagens que mais me...tocam.

Digamos que este livro tem uma quantidade significativa de sublinhados. Deixo aqui alguns para abrir o apetite:

 

(...) Não há tabelas para as emoções. Há palavras, talvez, uns quantos adjetivos, mas falta a dimensão exata. Sim, tudo se pode medir, mas não a violência crua de uma discussão entre pessoas que se amam(...) é um mistério a violência de que são capazes as pessoas que se amam (...)

 

(...) as pessoas inteligentes e com sentido de humor caírem tantas vezes em buracos depressivos, onde são mordidos por fúrias e maldades e dúvidas paralisantes, talvez por pensarem muito sobre tudo (...)

 

(...) Não se pode encontrar a paz a evitar a vida (...) e os segredos têm sempre um problema: pesam muito.

 

(...) são ligações difíceis de explicar com exatidão, algumas pessoas são atraídas por outras, dão-se as mãos de olhos fechados mesmo longe uma da outra, gostam-se porque sim, entendem-se sem se escutar uma palavra (...)

 

(...) envolveram-se, julgaram amar-se, depois ficaram amigos muito fortes, que é também uma espécie de amor, pouca gente sabe ou admite isso.(...)

E por aí adiante que 'tarda nada estou a transcrever o livro todo e este livro merece ser lido na íntegra. Curiosos? Ainda bem. Era mesmo essa a intenção.

Classificaçãode zero a cinco ?  seis!  

 

leia aqui as primeiras páginas

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

(às 9h30 de segunda feira, leituras alheias traz-vos opiniões sobre livros de outros bloggers ou amigos)

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

De Sofia a 17.09.2018 às 11:09

Parece-me, que vai ser um livro para a minha lista!

De Pequeno caso sério a 17.09.2018 às 13:46

Não te vais arrepender.

De Magda L Pais a 17.09.2018 às 19:19

Eu vou ter de o comprar...

De Pequeno caso sério a 17.09.2018 às 20:37

Com menos conversa já o tinhas comprado. E lido pelo menos metade que aquilo é coisa para nos deixar em pulgas para ver quando é que a coisa rebenta.

De Magda L Pais a 17.09.2018 às 21:31

Estou só à espera de passar numa Bertrand para usar o vale que tenho

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Setembro 2018

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30