Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Original ou traduzido?

por Magda L Pais, em 08.03.17

Não obstante saber relativamente bem inglês (ou, pelo menos, o suficiente para poder ler um livro ou ver um filme/série sem legendas), a verdade é que não me sinto confortável quando o faço, ficando sempre com a sensação (errada, eu sei) de que me está a escapar alguma coisa.

Foquemos na questão dos livros que é o tema deste blog e por conseguinte deste post.

Apesar do meu desconforto, aceito e assumo que a maioria das traduções é mal conseguida. Um dos meus testes favoritos à tradução é perceber se a palavra eventually foi traduzida como deve ser. Infelizmente são muitos os casos em que a tradução é de tal modo que a frase fica sem sentido. Por exemplo, se a frase original for “Maggie eventually arrived home” o correcto seria, por exemplo, “Maggie finalmente chegou a casa” e nunca “eventualmente chegou a casa” como aparece em imensos livros. Este é um bom teste à qualidade da tradução (ou pelo menos eu acho que é).

Ainda assim, ou melhor, mesmo assim, continuo a preferir os livros em português de Portugal (preferia que fossem sem o polémico acordo ortográfico mas não se pode ter tudo). Por preguiça, por achar que me escapa qualquer coisa mas também por respeito às editoras portuguesas (é estúpido mas a verdade é que também penso nisto). É claro que, depois, os preços dos livros acabam por ser quase proibitivos mas a verdade é que há, da parte da maioria das editoras, uma tentativa de nos trazer bons livros e bons autores e, caso deixemos de os comprar, claramente as editoras deixaram de os publicar por cá.

Original ou tradução? Qual é a vossa opção e porquê?


2 comentários

De Andy Bloig a 08.03.2017

O traduzir depende do tradutor e da forma do livro. 
Um romance/drama é "fácil" de traduzir pois acaba por ser simples apanhar as expressões e usar expressões em Português que signifiquem o mesmo. O problema actual é que as traduções são feitas a correr... muitas vezes o mesmo tradutor tem 1 mês para traduzir 500 páginas, pois tem de ter traduzidos e entregues 13 traduções anuais de livros que chegam ao mercado. 
E existe os livros mais técnicos onde se nota uma divergência gigantesca, pois as traduções seguem a linha de drama, deixando de lado aquelas expressões mais específicas da área. Adoro livros de ficção ciêntifica e notam-se tantos "pontapés e cabeçadas" na traduções mais recentes que fariam vergonha a qualquer tradutor dos anos 70-80. Só que são livros que são para um público muito específico e, em Portugal, são cada vez menos os que chegam ao mercado traduzidos por falta de interesse dos leitores. 
Talvez seja por isso que já ultrapassei os 100 livros ingleses cá em casa, sem contar com os mais simplistas... como comédias e dramas ou clássicos. Quando há 10 anos atrás nem 20 tinha... e 7 eram do Harry Potter.

De Magda L Pais a 08.03.2017

acaba por ser uma pescadinha de rabo na boca. Há menos investimento na tradução que resulta em menos livros (ou livros mal traduzidos). Por isso os leitores não compram os livros. Não havendo compra, não há lucro, logo não pode haver investimento na tradução.


Em relação aos livros técnicos subscrevo completamente que é preferivel ler o original uma vez que se pode perder demasiado na tradução

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031