Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Original ou traduzido?

por Magda L Pais, em 08.03.17

Não obstante saber relativamente bem inglês (ou, pelo menos, o suficiente para poder ler um livro ou ver um filme/série sem legendas), a verdade é que não me sinto confortável quando o faço, ficando sempre com a sensação (errada, eu sei) de que me está a escapar alguma coisa.

Foquemos na questão dos livros que é o tema deste blog e por conseguinte deste post.

Apesar do meu desconforto, aceito e assumo que a maioria das traduções é mal conseguida. Um dos meus testes favoritos à tradução é perceber se a palavra eventually foi traduzida como deve ser. Infelizmente são muitos os casos em que a tradução é de tal modo que a frase fica sem sentido. Por exemplo, se a frase original for “Maggie eventually arrived home” o correcto seria, por exemplo, “Maggie finalmente chegou a casa” e nunca “eventualmente chegou a casa” como aparece em imensos livros. Este é um bom teste à qualidade da tradução (ou pelo menos eu acho que é).

Ainda assim, ou melhor, mesmo assim, continuo a preferir os livros em português de Portugal (preferia que fossem sem o polémico acordo ortográfico mas não se pode ter tudo). Por preguiça, por achar que me escapa qualquer coisa mas também por respeito às editoras portuguesas (é estúpido mas a verdade é que também penso nisto). É claro que, depois, os preços dos livros acabam por ser quase proibitivos mas a verdade é que há, da parte da maioria das editoras, uma tentativa de nos trazer bons livros e bons autores e, caso deixemos de os comprar, claramente as editoras deixaram de os publicar por cá.

Original ou tradução? Qual é a vossa opção e porquê?

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De Marta a 08.03.2017 às 16:31

Esta é uma ótima questão sobre a qual também quero escrever no blog por me ter acontecido uma situação há pouco tempo em que tive que me fazer esta mesma pergunta. Queria comprar a colectânea de contos do Edgar Allan Poe, que em português (a mesmíssima edição) custava mais 15 euros do que a versão em inglês. Acabei por trazer o original. Desta vez só porque causa do preço, que ainda me deu para comprar um segundo livro, mas a verdade é que nestes textos clássicos, sempre me habituei à ideia de que só lendo o original é que vamos realmente captar a intenção do autor. No entanto, também me custa mais ler noutro idioma que não o português e essa é a única razão que me faz achar que prefiro a nossa língua. 

É sem dúvida um ótimo tema de discussão!

De Magda L Pais a 08.03.2017 às 23:22

eu percebo a parte financeira que é, realmente importante. Mas confesso que fico com a sensação que, ao não comprar livros em português corro o risco de um dia não haver apostas editoriais

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031