Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



2018 em livros

por Magda L Pais, em 31.12.18

books.jpg

books1.jpg

books2.jpg

Untitled3.jpg

2018 foi, seguramente, o melhor ano de leitura dos últimos anos. 96 livros, 32924 páginas que resultaram em horas e horas de prazer. Horas em que perdi a noção do tempo, que me envolvi com centenas de personagens, em novas histórias, novos mundos e o encanto que sempre sinto com um livro na mão.

Primeiro os números. apesar de estar sempre a dizer o mantra: Não comprarás mais livros, na realidade terminei 2017 com 182 livros para ler, já li 96... e só me faltam 201 na estante da vergonha... enfim, Magda sendo Magda...

Jogos de Raiva foi o melhor livro de um autor português. Façam um favor a vocês mesmos. Se ainda não leram este livro, leiam. Vão ver que não se arrependem. Antes de Sermos Vossos foi, muito provavelmente, o livro mais marcante deste ano que hoje termina. Um dia irei relê-lo. Uma Coluna de Fogo foi o livro com mais páginas. Um regresso a Ken Follet e Kingsbridge. A Esposa Minúscula só é pequeno de tamanho (foi o livro com menos páginas lido em 2018) mas é grande de conteúdo. Destroços foi lido na pior altura possível mas, ainda assim, valeu a pena (ninguém me mandou ler um livro sobre um desastre de avião enquanto viajava num!) e Vozes de Chernobyl teve de ser interrompido algumas vezes porque me deixou com nós no estômago.

Em 2018 O livro secreto continuou e ainda temos mais uns meses pela frente. E também em 2018 descobri a Chave Negra.

Começo 2019 a ler À Morte Ninguém Escapa de M.J. Arlidge e vamos ver como corre o resto do ano.

Boas leituras para vós em 2019 e bom ano

 

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Destroços

por Magda L Pais, em 29.12.18

34304348.jpg

Destroços de Emily Bleeker

Tradução de Maria João Trindade

ISBN: 9789897730443

Editado em 2017 pela Saída de Emergência

Sinopse

Lillian Linder é uma mentirosa. À superfície, aparenta ser a sobrevivente corajosa de um acidente de avião. Mas tem vindo a mentir à sua família e ao resto do mundo desde que os helicópteros de salvamento a resgataram a si e a Dave, outro sobrevivente, de uma ilha deserta no Pacífico Sul. Desaparecidos durante dois anos, tornaram-se estrelas e recebem as atenções de toda a imprensa. Mas nunca poderão contar a verdadeira história…

O público está fascinado por ambos, mas Lillian e Dave têm de regressar às suas vidas e esposos. Genevieve Randall, uma jornalista experiente e obstinada, suspeita que a história pode ser falsa e está determinada a desvendar a verdade a qualquer custo, mesmo que implique destruir as vidas de Lillian e Dave. Uma história eletrizante que nos faz questionar a importância da sobrevivência, tanto no meio da natureza selvagem como sob os holofotes da imprensa implacável.

A minha opinião

Viemos até Leiscester trazer a gaiata e a amiga e, obviamente, tivemos de vir de avião. Naturalmente eu trouxe vários livros na mala (3 ou 4 para ser mais precisa, afinal vamos cá estar uns dias) e, claro, pensei num para a viagem de avião. Só que, quando acordamos - no dia da viagem - tivemos a noticia que, devido ao nevoeiro forte que tinha estado nessa noite em Lisboa, o voo estava atrasado quase 3 horas. Bem... peguei em mais dois livros pequenos e pronto. Estava pronta para esperar no aeroporto. Se houvesse sitio para nos sentarmos sem ser no chão, ou se não estivesse o terminal 2 atulhado de tal maneira de gente que nem conseguíamos dar um passo sem tocar em alguém...

Quando, finalmente, íamos entrar para o avião, escolhi um livro. Este livro. E depois de entrar no avião, guardar as malas de cabine e apertar o cinto, no exacto momento em que o avião começa a deslizar na pista eu começo a ler.

Brilhante, Magda.. momento brilhante. Quem mais se lembraria de ler um livro sobre um desastre de avião enquanto viaja... de avião? E logo eu que não gosto por ai além de viajar de avião.

Enfim...

Certo é que, felizmente, a viagem correu lindamente, nem uma turbulênciazinha nem nada de mais. E o livro, esse, foi lido quase todo na viagem, tendo-o terminado quando chegamos a casa, enquanto o jantar aquecia.

Este é um livro brilhante. Extraordinariamente brilhante, que me manteve presa da primeira à ultima página. Que nos faz navegar entre o presente e o passado de Lillian e Dave, enquando ambos nos levam a descobrir as várias camadas da verdadeira história do acidente de avião (e deles próprios).

Digo isto várias vezes. Nem todos os escritores conseguem que a alternância entre dois tempos ou entre dois narradores seja bem feita. Emily Bleeker fê-lo com a mestria que apenas os melhores conseguem.  São 288 páginas de revelações, de história, com personagens fortes, marcantes e bem construidas.

Claro que, no fim, e sem querer ser spoiler, queremos que a história termine da melhor forma. Mas, se calhar, a forma como termina é mesmo a melhor. 

Leia aqui as primeiras páginas 

e veja aqui o video promocional

Classificação: 

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Advogado Mafioso

por Magda L Pais, em 26.12.18

30822892.jpg

O Advogado Mafioso de John Grisham 

Tradução de Fernanda Oliveira

ISBN: 9789722532075

Editado em 2016 pela Bertrand Editora

Sinopse

Sebastian Rudd não é o típico advogado da rua. Tem o seu escritório numa carrinha à prova de balas, munido de wi-fi, um bar, um pequeno frigorífico, assentos de cabedal, um compartimento escondido para a arma e um motorista armado até aos dentes. Não pertence a uma firma, não tem sócios, nem associados. O seu único funcionário, o motorista, é também seu guarda-costas, administrativo, confidente e caddy no golfe. Vive sozinho numa penthouse pequena, mas extremamente segura, e a sua principal peça de mobiliário é uma mesa de bilhar vintage. Bebe bourbon e anda armado.

Sebastian defende pessoas de quem os outros advogados nem sequer se aproximariam: um miúdo cheio de tatuagens na pele e drogas no corpo, que diz pertencer a um culto satânico, acusado de abusar sexualmente de duas meninas e de as matar; um perverso chefe do crime organizado que agora se encontra no corredor da morte; um homem preso por disparar contra uma equipa das forças especiais SWAT, que lhe invadiu a casa por engano. Porquê estes clientes? Porque ele acredita que toda a gente tem direito a um julgamento justo, mesmo que para tal ele, Sebastian, tenha de fazer batota.

Detesta injustiças, não gosta de seguradoras, bancos ou grandes empresas; desconfia do governos a todos os níveis e ri-se do conceito de ética do sistema judicial. Sebastian Rudd é uma das personagens mais coloridas e ousadas de Grisham.

A minha opinião

Sou fã incondicional de John Grisham  de quem já li uns quantos livros. Mas este, confesso, desiludiu-me um pouco.

O Advogado Mafioso é, basicamente, um livro de contos, interligados entre si, com Sebastian Rudd como personagem principal. E nem sequer é a melhor personagem criada por Grisham.

A maestria da escrita está lá, é claro. Um bom autor consegue sempre - mesmo nos seus piores livros - deixar o seu cunho mas, claramente, não estava inspirado quando escreveu este livro, tanto que, no final, em vez dum fim claro, dá a sensação que chegou ao fim dum normal dia de trabalho e disse: não me apetece escrever mais e pronto. Nem sequer percebeu que o final nem parece um final.

Enfim, creio que todos os autores podem ter um dia mau...

Classificação 

leia aqui as primeiras páginas

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Natal de um Predador da Noite

por Magda L Pais, em 25.12.18

9591213.jpg

Só para vos desejar a todos um bom Natal, com um pequeno conto que vale a pena ler, passado no universo dos Predadores da Noite. Se o quiserem ler, façam o download aqui
 
E lembrem-se:

— (...)Temos três tipos de família. Aqueles de quem nascemos, aqueles que nascem de nós e aqueles que deixamos entrar nos nossos corações. Eu deixei-te entrar no meu coração, por isso a Simi é a tua família e ela não abdicará de ti. Se agora estás triste, acho que é porque a tua família ainda está, também, no teu coração e estão a ocupar tanto espaço que não cabe lá mais ninguém.

— Não posso abdicar deles.

— E não deves fazê-lo. Nunca. Ninguém deve esquecer aqueles que ama, nunca. Mas é como com a QVC: sempre que eu encho o meu quarto com coisas a mais, o Akri constrói-me outro quarto. De alguma forma há sempre espaço para mais. O teu coração pode sempre expandir-se para acolher tantas pessoas quantas seja necessário. As pessoas que lá vivem, essas não se vão embora. Só tens de arranjar espaço para mais uma pessoa, e depois outra, e outra, e outra.

 

Classificação: 

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Autoria e outros dados (tags, etc)

As Terças com Morrie

por Magda L Pais, em 23.12.18

tercas.jpg

As Terças com Morrie de Mitch Albom

Traduzido por Sofia Serra

ISBN: 9789728541064

Editado em 2017 pela Sinais de Fogo Publicações

Sinopse

O diálogo, durante 14 Terças-feiras, entre um velho professor que morre e um seu antigo aluno proporciona-nos a todos uma última e comovente lição sobre as coisas mais simples e mais importantes da vida – e da morte. Um fenómeno editorial em todo o mundo.

Excertos

"Ah, se fosse novo outra vez! Nunca ouves ninguém dizer: "Gostava de ter sessenta e cinco anos."

Sorriu.

"Sabes o que isso reflecte? Vidas insatisfeitas. Vidas incompletas. Vidas que não encontraram sentido nenhum. Porque se encontrares sentido na vida, não desejas voltar atrás. Queres ir para a frente. Queres ver mais, fazer mais. Estás mortinho para chegar aos sessenta e cinco.

"Ouve, tens que saber uma coisa. Todos os jovens têm que saber uma coisa. Se estiveres sempre a batalhar contra o envelhecimento, vais ser sempre infeliz, porque isso vai acontecer de qualquer maneira."

"E, Mitch?"

Baixou a voz.

"O facto é que vais mesmo acabar por morrer.

A minha opinião

Estava com grandes expectativas em relação a este livro que tem sido muito elogiado no nosso grupo do livro secreto. Infelizmente, e apesar de ter gostado, não partilho de todos os elogios que lhe tem sido feito, achando, ao invés, que algumas partes estão confusas - nem todos os escritores sabem alternar entre o passado e o presente sem gerar confusão no leitor.

Admiro - nem calculam o quanto - Morrie, pela forma como encarou a doença e a morte. Sem dúvida é uma lição de vida. Que - para o bem e para o mal - já tinha aprendido com a minha tia Lucília que, desde que o cancro lhe foi diagnosticado, sempre o encarou de frente, nunca se queixou e ainda se ria com o tema. Revi, em muitas coisas que Morrie disse, coisas que a minha tia nos disse a todos, principalmente nos últimos meses.

Não que o facto de ter - quase - que estado no papel de Mitch me torne uma especialista ou que isso faça com que tenha desvalorizado a leitura. Mas, para mim, foi mais importante ouvir de viva voz do que ler.

Ainda assim, fez-me bem ler este livro. Leiam também e aprendam mais umas coisitas.

Classificação 

leia aqui as primeiras páginas

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Outubro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031