Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sete dias, sete livros

por Magda L Pais, em 29.06.18

Fui desafiada, no facebook, a colocar, durante sete dias, sete capas de livros de que tenha gostado ou que me tenha marcado, sem dar qualquer explicação. Fui uma menina semi bem comportada. E semi porque, efectivamente, não expliquei nada sobre cada capa mas, em contrapartida, escolhi dez livros e não sete porque era impossível, da colecção em causa, escolher apenas um.

Terminei hoje o desafio e estes foram os livros escolhidos:

Untitled.jpg

O Último dos Nossos, um dos melhores livros que li em 2017, um dos melhores livros que li desde sempre. Uma história de amor e perdão, de filhos e pais. Uma história complexa, surpreendente, com uma escrita simples e despretensiosa que nos encanta da primeira à última página.

Antes de Sermos Vossos, um dos melhores livros que li em 2018, um dos melhores livros que li desde sempre. Baseado em factos verídicos, este é livro que me deixou de luto, sem vontade de pegar noutro de seguida. Um livro intenso, que mexe com todos os sentimentos, que mexe com as nossas convicções e que nos deixa um amargo de boca.

As Brumas de Avalon. Não são precisas grandes explicações. Estão no topo das minhas preferências, são os livros que já li mais vezes e, tenho a certeza, um dia voltarei a ler.

Arroz de Palma é um livro de afectos e da família. E numa altura em que os papeis se invertem a sua importância é ainda maior.

Um Homem Chamado Ove é um livro ternurento e encantador, que nos arranca gargalhadas e que nos deixa a pensar na forma como muitas amizades surgem de forma inesperada. E é também um filme exactamente igual, em que até os actores são, em quase tudo, tal e qual como os imaginamos enquanto líamos o livro.

A Livraria dos Finais Felizes foi o único livro que, quando acabei a última página, recomecei logo de seguida. Porque este livro sou eu. Este livro sou eu e somos nós. São todos aqueles que gostam de ler, que acham que os livros são um escape ou que conseguem sentir o cheiro dos livros.

Perguntem a Sarah Gross, finalista do prémio Leya em 2015, romance de estreia de João Pinto Coelho. Demorei 4 dias a devorar e degustar este livro. Porque este é um livro que se lê assim, de uma penada e com cuidado - muito cuidado - para não perdermos a paragem de autocarro ou do metro.

Haveria mais, muitos mais livros para escolher. Mas eram só sete dias, sete livros...

E vocês, se fossem desafiados, que livros escolheriam?

Entretanto...

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Livraria dos Finais Felizes - releitura

por Magda L Pais, em 22.04.16

29810747.jpg

Sim, eu reli A Livraria dos Finais Felizes logo que o acabei de ler. Nunca um tinha feito com um livro mas fi-lo com este porque, como já disse antes, senti a minha paixão pelos livros retratada na perfeição. E posso dizer-vos que, cheguei ao fim com a alma cheia. Este livro sou eu. Este livro sou eu e somos nós. São todos aqueles que gostam de ler, que acham que os livros são um escape ou que conseguem sentir o cheiro dos livros. E é também aqueles que passam horas infinitas a ler sem dar conta de quem está por perto.

E é esse pedaço de livro que vos trago, agora que terminei a releitura.

WP_20160422_10_25_31_Rich.jpg

 Livro a reler, sem dúvida. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Livros são um escape

por Magda L Pais, em 19.04.16

Sara estava convencida de que a maioria das pessoas que alguma vez pensava nela achava que os livros lhe serviam de escape.

E talvez fosse verdade. Logo no liceu, percebera que poucas pessoas prestavam atenção a quem tivesse o nariz enfiado num livro. De vez em quando, Sara tivera de levantar o olhar para se desviar de uma régua ou de um manual escolar que voava pelos ares, mas, habitualmente, não tinham sido atiradas para ela em particular, e não costumava ficar sem saber em que parte do livro ia. Enquanto os seus colegas martirizavam os outros ou eram, eles próprios, atazanados, inscreviam símbolos sem significado nos tampos das secretárias ou rabiscavam os cacifos uns dos outros, ela viver paixões avassaladoras, morte, gargalhadas, terras distantes, dias perdidos. Os ouros poderiam achar-se encalhados num velho liceu em Haninge, mas ela fora uma geisha no Japão, deambulara lado a lado com a última imperatriz da China entre as quatro paredes dos claustrofóbicos aposentos na Cidade Proibida, crescera com a Ana dos Cabelos Ruivos, cometera uma boa dose de homicídios e amara e sofrera uma e outra vez.

Os livros tinham constitutivo uma defesa, sim, mas não era só isso. Tinham protegido Sara do mundo à sua volta ,as também o tinham transformado num difuso pano de fundo para as verdadeiras aventuras existentes na sua vida.

in A Livraria dos Finais Felizes de Katarina Bivald

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Livraria dos Finais Felizes

por Magda L Pais, em 18.04.16

29810747.jpg

A Livraria dos Finais Felizes de Katarina Bivald

Editado em 2016 pela Suma de Letras
ISBN: 9789896650704
 
Sinopse
Bestseller do The New York Times
“Uma história comovente sobre o poder transformador da literatura.” Revista People
“Originalmente cativante.... doce, peculiar.” Jornal The Washington Post

Se a vida fosse um romance, o da Sara certamente não seria um livro de aventuras. Em vinte e oito anos nunca saiu da Suécia e nenhum encontro do destino desarrumou a sua existência. Tímida e insegura, só se sente à vontade na companhia de um bom livro e os seus melhores amigos são as personagens criadas pela imaginação dos escritores, que a fazem viver sonhos, viagens e paixões. Mas tudo muda no dia em que recebe uma carta de uma pequena cidade perdida no meio do Iowa e com um nome estranho: Broken Wheel. A remetente é uma tal Amy, uma americana de 65 anos que lhe envia um livro. E assim começa entre as duas uma correspondência afectuosa e sincera. Depois de uma intensa troca de cartas e livros, Sara consegue juntar o dinheiro para atravessar o oceano e encontrar a sua querida amiga. No entanto, Amy não está à sua espera, o seu final, infelizmente, veio mais cedo do que o esperado. E enquanto os excêntricos habitantes, de quem Amy tanto lhe tinha falado, tomam conta da assustada turista (a primeira na história de Broken Wheel), Sara decide retribuir a bondade iniciando-os no prazer da leitura. Porque rapidamente percebe que Broken Wheel precisa de um pouco de aventura, uma dose de auto-ajuda e, talvez, um pouco de romance. Em suma, esta é uma cidade que precisa de uma livraria. E Sara, que sempre preferiu os livros às pessoas, naquela aldeia de poucas gente, mas de grande coração, encontrará amizade, amor e emoções para viver. E finalmente será a verdadeira protagonista da sua vida.
 
A minha opinião
Quando andei a passear na Bertrand (entre outras lojas) a semana passada - e tudo porque NÃO sei organizar uma festa surpresa, este era um dos livros que estava em destaque. Entrei na livraria, vi o titulo e o subtítulo - há sempre um livro para cada pessoa e uma pessoa para cada livro - e apaixonei-me. Tirei uma fotografia da capa (lindíssima por sinal) para depois o procurar por ai e continuei na minha volta pela livraria. Depois lá parei ao pé do livro de novo e diz-me o marido: porque andas aqui a rondar e não pegas nele de vez? porque tenho medo de não o largar, pensei eu. E foi exactamente isso que aconteceu quando peguei nele. Não o larguei. Ou talvez o tenha largado o tempo suficiente apenas para que fosse registado na caixa.
Aos 28 anos Sara vive com e para os livros. Quando a livraria onde trabalha fecha, Sara decide atravessar o mundo para ir conhecer Amy, uma amiga com quem tem trocado várias cartas e, claro, livros. Só que, quando chega a Broken Wheel, Amy morreu e Sara não conhece mais ninguém. Mas os habitantes conhecem-na e fazem questão de a receber e de a tratar como sabem que Amy desejaria. Sara descobre então que há vida para além dos livros ao mesmo tempo que percebe que não há, em Broken Wheel, hábitos de leitura. Resolve, por isso, mostrar aos seus novos amigos que há um livro para cada pessoa.
Poucas vezes senti que a minha paixão pela leitura e pelos livros estaria tão bem retratada num livro. Poucas vezes partilhei tanto em comum com um livro ou uma personagem como me senti com Sara. Mais que um livro, a Livraria dos Finais Felizes é uma declaração de amor aos livros, à literatura e a prova de que os livros podem mudar a vida duma pessoa (ou duma comunidade como é o caso de Broken Wheel).
São poucos, muito poucos, os livros que sinto vontade de reler. Não de seguida mas sim uns anos mais tarde, como forma de recordar a história e para me reaproximar dos amigos que vivem nesses livros. Com a Livraria dos Finais Felizes não é isso que se passa. Acabei-o à momentos e logo, quando regressar a casa, vou recomeçar de novo.
Por fim e porque esta opinião já vai longa, queria ainda contar-vos que, tal como a amizade de Amy e Sara nasceu por causa dos livros, também eu ganhei algumas amizades reais por causa da literatura. (Curiosamente uma delas chama-se Sara). Não que troquemos livros mas trocamos opiniões, sugestões e, acima de tudo, partilhamos a mesma paixão - os livros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Consegues senti-lo?

por Magda L Pais, em 17.04.16

Sophy abriu o livro com cuidado, como se receasse danifica-lo.

- Não, não - disse Sara, levando Sophy a olhar para cima, alarmada. - Abre-o mesmo. - e exemplificou. - Tens de conseguir enfiar o teu nariz lá dentro.

Sophy ergueu o livro até à cara, ainda a medo e com muito cuidado, e inspirou lentamente. Sorriu.

- Consegues senti-lo? O cheiro de livros novos. Aventuras por ler. Amigos que ainda não conheceste, horas de escape mágico à tua espera.

 

In A Livraria dos Finais Felizes de Katarina Bivald

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Junho 2019

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30