Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Viajante do Século

por Magda L Pais, em 26.10.15

capa o viajante.jpg

O Viajante do Século de Andrés Neuman

Editado em 2010 pela editora Alfaguara Portugal

ISBN: 9789896720223

Sinopse

Um viajante enigmático. Uma cidade em forma de labirinto da qual parece impossível sair. Hans, o cidadão errante que carrega o mundo inteiro dentro da mala de viagem, está prestes a partir de Wandernburgo quando conhece um velho tocador de realejo que o impede de deixar a cidade. Este encontro mudará irreversivelmente o destino de Hans, que vai ficando pela cidade onde as ruas que mudam de sítio o levam ao encontro de Sophie.

O resto é amor e literatura: um amor memorável, que agita camas e livros de igual modo; e um mundo imaginário, que condensa, em pequena escala, os conflitos da Europa moderna.

A minha opinião

Este seria um daqueles livros que eu não teria lido se não falasse tanto sobre livros. No outro dia estive quase duas horas a conversar com um cliente. Dez minutos, se tanto, foi a tratar do assunto que o tinha lá levado, o resto foi a trocarmos impressões sobre livros. E ele falou-me deste e disse-me que me haveria de o emprestar. Saiu, e passados uns minutos, estava de novo ao pé de mim com ele. Eu ia começar um livro naquele dia, por isso desisti dele e peguei neste.

Não me arrependi.

Não posso, em consciência, dizer que é o melhor livro que já li. Mas é um livro muito bom, com uma história invulgar e alguns momentos marcantes.

Hanz é um viajante que nunca fica muito tempo em cada cidade. Quando chega a Wandernburgo pensa demorar-se apenas meia dúzia de dias, se tanto. No entanto Wandernburgo é uma cidade diferente. Ou, melhor dizendo, é uma cidade que todos os dias é diferente. E desta cidade são raras as pessoas que chegam e se vão embora. Hanz não é excepção. A amizade que, aos poucos, o vai unindo ao velho tocador de realejo ajudam-no a ver as coisas de forma diferente, assim como a amizade com Alvaro (que, segundo o próprio, está de passagem em Wandernburgo há quase 17 anos…).

Sophie está noiva de Rudi mas, quando conhece Hanz, percebe que, afinal, amor é o que sente por Hanz. Dispõe-se, por isso, e com a desculpa das traduções de poemas estrangeiros, a encontrar-se, em segredo, com Hanz, o que acaba por levantar suspeitas em toda a cidade.

Resta, a Hanz, decidir se fica em Wandernburgo e mantêm uma relação adúltera, numa cidade onde tudo se sabe – menos o caminho para chegar a algum lado – ou se vai embora.

Para além desta citação, houve outra que gostei imenso. A da lenda dos sonhos:

E se os sonhos das pessoas que se amam estivessem unidos enquanto dormem por fios muito finos? Uns fios que movessem as personagens dos seus sonhos como marionetas por cima das suas cabeças, manejando as suas fantasias para que, ao acordar, uns pensem nos outros?

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Setembro 2020

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930


Posts recentes


subscrever feeds