Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Um mundo sem fim

por Magda L Pais, em 19.10.18
 

Um mundo Sem Fim - Ken Follett

Dois volumes

Editado em 2008 pela Editorial Presença

Lidos em 2013

Sinopse

À semelhança de Os Pilares da Terra, Ken Follett volta ao registo do romance histórico, numa obra dividida em duas partes graças às quase mil páginas que a compõem. A Presença publica agora o primeiro volume de Um Mundo Sem Fim, que se prevê repetir o sucesso de Os Pilares da Terra. O autor sentiu-se bastante motivado a escrever este novo livro já que desde Os Pilares da Terra, publicado em 1989, os leitores de todo o mundo clamavam insistentemente por uma sequela. Finalmente Follett inspirado e com coragem e determinação, sem esquecer uma enorme dedicação, lançou-se na escrita de Um Mundo Sem Fim, a continuação de Os Pilares da Terra, onde recorre a elementos comuns do primeiro livro e dá vida a descendentes de algumas personagens. Recuperando a mesma cidade Kingsbridge, o cenário é ambientado dois séculos mais tarde onde nos transporta até 1327. Aí iremos ao encontro de quatro crianças que presenciam a morte de dois homens por um cavaleiro. Três delas fogem com medo, ao passo que uma se mantém no local e ajuda o cavaleiro ferido a recompor-se e a esconder uma carta que contém informação secreta que não pode ser revelada enquanto ele for vivo. Estas crianças quando chegam à idade adulta viverão sempre na sombra daquelas mortes inexplicáveis que presenciaram naquele dia fatídico. Uma obra de fôlego com a marca assinalável e absolutamente incontornável de Ken Follett.

A minha opinião

Ken Follett é um dos meus autores favoritos desde que li Os Pilares da Terra. Um Mundo Sem Fim é, supostamente, a sequela d’Os Pilares da Terra mas, na verdade, o que une estes livros é o local da acção, Kingsbridge e uma das famílias que é descendente muito afastado de Tom Pedreiro, mais exactamente de Martha, a filha mais nova de Tom.

O primeiro volume inicia-se em 1 de Novembro de 1327, altura da Feira do Velo no priorado. Gwenda, Caris, Ralph e Merthin são quatro crianças, com idades muito próximas e que não se conhecem. Nesse dia as suas vidas vão-se cruzar com Thomas, um cavaleiro que esconde um segredo, o que terá efeitos que se irão sentir para o resto das suas vidas.

Kingsbridge continua a estar ligada ao priorado cujo prior falece em sequência dum acidente. Nessa altura começam os jogos de poder dentro do priorado o que acaba por afectar toda a cidade. Aliás, o forte deste livro são mesmo as lutas por poder, dentro do priorado, entre o priorado e o convento de freiras que nasceu ao lado da catedral construída por Tom e Jack nos Pilares da Terra, assim como entre a Guilda Paroquial e o priorado.

Acompanhamos o crescimento destas crianças num ambiente medieval, com todas as nuances próprias dessa época, com a caça às bruxas, o rebaixamento das mulheres que eram consideradas abaixo dos homens.

Este primeiro volume termina em Maio de 1339

Escrito com a qualidade a que o autor nos habituou, é, sem dúvida, um livro a ler e a reler. Comecei o segundo volume de imediato porque a ânsia de saber o que o futuro reserva a todos os personagens, sejam eles bons ou maus, é imensa.

No segundo volume d’Um Mundo sem Fim continuamos a acompanhar a vida de Gwenda, Caris, Ralph e Merthin, as quatro crianças que conhecemos no primeiro volume. O volume inicia-se com o princípio da peste negra que tanta gente ceifou na idade média. Percebemos, conforme vamos avançando na leitura, como é que a peste matou tanta gente, porque é que se espalhou com tanta facilidade e, acima de tudo, sentimos a impotência que foi lutar contra uma doença bastante mortal que muitos acreditavam ser um castigo de Deus.

Assistimos ainda à mudança de mentalidades, quer da Igreja quer dos populares, quer aceitando melhor a intervenção das mulheres – que, até essa altura, eram descriminadas e quase que ignoradas pela sociedade em geral – quer em termos de higiene.

A peste vai matar algumas das personagens que nos acompanharam no primeiro livro e algumas das novas que são introduzidas neste volume. Leva alguns dos “bons” mas também dos “maus” provando, mais uma vez, que a morte, seja ela induzida da forma que for, é democrática e não escolhe quem quer levar.

Quando lemos a última página e fechamos o livro, fica uma sensação de vazio. Aliás como na maior parte dos livros deste autor, cada livro sabe-nos a pouco, apesar das histórias ficarem terminadas e não haver pontas soltas.

Leia aqui as primeiras páginas do primeiro volume e aqui as primeiras páginas do segundo volume

Classificação: 

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

e

Não se esqueçam de nomear os vossos blogues favoritos para os Sapos do Ano 2018

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Leitura alheia: Os Demónios

por Magda L Pais, em 15.10.18

13608527.jpg

Os Demónios de Fiódor Dostoiévski 

ISBN: 9789896411534

Editado em 2010 pela Relógio D'Água

 

Sinopse

Verkhovenski e Stavróguin são os líderes de uma célula revolucionária russa. O seu objectivo é derrubar o governo, destruir a sociedade e tomar o poder. Mas quando o grupo está prestes a ser descoberto uma questão se coloca. Estarão os seus elementos dispostos a matar-se uns aos outros para encobrir o seu rasto? O romance baseia-se, em parte, na história de um estudante assassinado pelos seus colegas revolucionários. Mas é também uma descrição da Rússia do século XIX e uma acusação contra os que usam a violência em nome dos seus princípios.

Tolerado por Lenine, banido por Estaline, cujo regime parece ter antecipadamente previsto, Dostoievski só seria redescoberto na URSS a partir dos anos 60 do século XX. É que a extrema atenção com que o autor de Os Demónios seguia os acontecimentos da sua época permitiu-lhe prever os excessos e sofrimentos para que o seu país caminhava.

«Os romances de Dostoievski representam graus sucessivos de uma busca da existência de Deus; neles é elaborada uma profunda e radical filosofia da acção humana. Os heróis de Dostoievski estão embriagados de ideias e consomem-se no fogo da linguagem.»

A opinião d'Miss F

Dostoiévski, não diminuindo a genialidade de outros escritores russos, é o que mais me completa como leitora. A sua escrita é um caleidoscópio do ser humano. Todas as perspectivas estão correctas, até os paradoxos, como a aparente impossibilidade moral desta narrativa.

Quando comecei a ler Os Demónios assustei-me com o título. Para além disso, a edição que me acompanhou para todo o lado tinha capa vermelho vivo com o título impresso a letras douradas. Senti-me a carregar a bíblia do diabo.

Mas aquietem-se as mentes mais supersticiosas que este livro nada tem de sobrenatural. De sobrenatural apenas a genialidade de quem o escreveu, como eu não me canso de repetir.

Nas primeiras páginas, tudo e todos parecem inofensivos. Os acontecimentos sucedem-se a um ritmo alucinante, envoltos numa neblina gótica, qual tragédia grega, que de loucura em loucura, encaminha tudo e todos para um clímax demoníaco.

É tudo tão absurdo, mas ao mesmo tempo tão penosamente real, que queremos rir, porque tudo aquilo nos diverte. Um riso trágico deveras, que o mundo pesa-nos por ser assim, pouco ou nada havendo a fazer.

Sob a batuta de uma escrita muito mais fluida do que aquela que adornou as páginas de Crime e Castigo, não conseguimos parar de o ler e queremos sempre mais.

Mais e mais páginas se outras tantas houvessem.

Classificação: 

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

(às 9h30 de segunda feira, leituras alheias traz-vos opiniões sobre livros de outros bloggers ou amigos)

e

Não se esqueçam de nomear os vossos blogues favoritos para os Sapos do Ano 2018

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O poço das sombras

por Magda L Pais, em 12.10.18

Download-O-Poco-das-Sombras-Cronicas-de-Bridei-Vol

O Poço das Sombras de Juliet Marillier

As Crónicas de Bridei #2

Editado em 2011 pela editora 11 X 17

ISBN: 9789722522502

Lido em 2015

Sinopse

Em missão secreta na Irlanda por ordem do Rei Bridei de Fortriu, Faolan tem também de dar a notícia da morte de um bravo guerreiro. Porém, o principal assassino e espião de Bridei tem de enfrentar os demónios do passado sombrio da sua família com resultados inesperados.

Quando segue o rasto de um poderoso clérigo cristão que pode ser uma ameaça para a estabilidade do reino pagão de Bridei, Faolan torna-se responsável por uma criança, um cão e Eile, uma jovem perturbada e desconfiada.

Para Eile, a viagem a Fortriu é uma confrontação. Acostumada a uma vida de privações e labuta, a jovem vê-se perante um mundo estranho, cheio de lições novas, onde o principal desafio é aprender a confiar nas pessoas. Na corte de Bridei, em Monte Branco, notícias perturbadoras vindas do reino vizinho de Circinn, levam o Rei a convocar a conselho os seus chefes-de-guerra. Após o desaparecimento do principal conselheiro de Bridei e a morte trágica de uma jovem criada, a ameaça provocada pela influência cada vez Maior da Cristandade parece ser o menor dos perigos... 

A minha opinião

Termina, com este livro, a trilogia As crónicas de Bridei e, como é habitual nos livros desta autora, fiquei com vontade de continuar a acompanhar as aventuras e desventuras de todas as personagens. N’O Espelho Negro, acompanhamos a vida de Bridei, que, aos quatro anos, é entregue a Broichan para ser educado para se tornar o novo rei e de como Tuala e Bridei se apaixonam e os problemas que tiveram de enfrentar antes de poderem ficar juntos. N’a Espada de Fortriu é a vez de Ana e Drustan que se apaixonam em condições adversas mas que, com a ajuda de Faolan e de Deord, conseguem fugir para Monte Branco e ficar juntos. Em simultâneo, Bridei vai para a guerra com os Celtas para que os seus domínios fiquem livres da sua influência.

Neste último livro, Faolan, depois de deixar Ana e Drustan na corte, em segurança, resolve enfrentar o passado e vai na direcção do seu país natal. Mas antes tem um recado de Deord para entregar à irmã deste. Quando chega a casa de Deord conhece Eile, a jovem filha de Deord e de quem ele nunca tinha falado antes. Aos 15 anos, Eile, violentada desde tenra idade pelo tio, tem uma filha, Saraid, com apenas 4 anos. Quando Faolan se apercebe, Eile e Saraid já estão à sua guarda e acompanham-no no regresso a casa onde Faolan vai enfrentar os seus maiores pesadelos.

Entretanto na corte de Bridei, o primo e a irmã de Ana chegam para o conselho de chefes que Bridei convocou. Será que Breda poderá ser a nova refém do reino, tal como Ana ou será que o seu feitio não se coaduna com a vida numa corte informal como é a corte de Bridei?

Confesso que, dos três livros, este foi o mais interessante e o que mais me prendeu. De tal modo que ontem à noite me esqueci de me ir deitar…

Para quem gosta de leitura do fantástico, esta é, sem dúvida, uma trilogia a ler e uma autora a acompanhar.

Classificação: 

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

e

Não se esqueçam de nomear os vossos blogues favoritos para os Sapos do Ano 2018

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Noite Silenciosa

por Magda L Pais, em 10.10.18

23149970.jpg

Noite Silenciosa de Sherrilyn Kenyon

Predadores da noite #15

ISBN: 9789897101120

Editado em 2014 Edições Chá das Cinco

Sinopse

Stryker já avisou que está a reunir as suas forças.

Enquanto o mundo avança inconsciente, Stryker, que lidera um exército de demónios e vampiros, conspira para lançar uma ofensiva contra os seus inimigos — que, infelizmente para nós, incluem toda a raça humana.

Para vingar a sua irmã, Stryker prepara-se para aniquilar os Predadores da Noite. Mas as coisas começam a correr mal quando o seu inimigo mais antigo regressa. Eis que chega a sua ex-mulher, Zephyra. Precisamente quando achava que nada o poderia parar, vê-se embrenhado numa guerra secular com uma mulher que dá um novo significado à palavra «dor».

Estão a ser traçadas novas linhas de batalha, enquanto os Predadores da Noite se reúnem para uma novo confronto, numa Noite Silenciosa.

A minha opinião

É, talvez, o livro mais pequeno da série e, ao mesmo tempo, o que menos me prendeu. Desconfio que parte do problema terá sido a falta de situações mais humorísticas na história... Mas outra parte terá mesmo a ver com a dimensão do livro e com demasiadas coisas/personagens envolvidas, tornando alguns momentos mais confusos. Creio que há situações que mereciam ser melhor exploradas ou, talvez, com menos envolvidos de cada vez.

Por outro lado, Noite Silenciosa - entre mitologia, romance, paranormal, erotismo - mostra-nos que os maus tem um lado bom e que os bons podem ter um lado mau. Que há sempre duas versões da mesma história e que, nem sempre, o que nos parece ser a verdade, será mesmo assim. (Re)aprender tudo isto num livro de fantasia é inesperado mas também bastante positivo.

Leia aqui as primeiras páginas

Classificação: 

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

e

Não se esqueçam de nomear os vossos blogues favoritos para os Sapos do Ano 2018

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Prazer da Noite

por Magda L Pais, em 09.10.18

13569002.jpg

Prazer da Noite de Sherrilyn Kenyon

Predadores da noite #2

ISBN: 9789897100314

Editado em 2009 pelas Edições Chá das Cinco

Sinopse

Nunca o romance e o paranormal se encontraram tão bem como nos livros de Sherrilyn Kenyon. Sensuais e perigosos, eles estão de volta... são os Predadores da Noite.

“Querida leitora,

Alguma vez quis saber como era ser imortal? Viajar pela noite caçando os vampiros que perseguem os humanos? Ter riqueza e força ilimitadas? Essa é a minha vida e é escura e perigosa. Sou herói de milhares, mas ninguém me conhece. E adoro todos os minutos. Pelo menos era o que eu pensava até que, certa noite, acordei algemado ao meu pior pesadelo: uma mulher conservadora, de camisa apertada de cima a baixo. Ou, no caso de Amanda, abotoada até ao queixo. É inteligente, sensual, espirituosa e não quer ter nada a ver com o paranormal, por outras palavras, comigo. A minha atracção por Amanda Devereaux vai contra tudo aquilo que represento. Já para não dizer que, da última vez que me apaixonei, isso me custou não só a minha vida humana como a minha alma. Ainda assim, sempre que olho para ela, dou por mim a desejar tentar de novo. A desejar acreditar que o amor e a lealdade existem. Ainda mais perturbador, dou por mim a perguntar se haverá alguma forma de uma mulher como Amanda amar um homem cujas cicatrizes da guerra são profundas, e cujo coração foi ferido por uma traição tão selvagem que não sei se voltará a bater de novo.”

Kyrian da Trácia

A minha opinião

Entre outras, a grande vantagem de ter vários livros para ler é que, de vez em quando, dá vontade de ler vários livros da mesma autora e podemos tê-los, ali, à nossa espera. Foi o que me aconteceu com o regresso a Sherrilyn Kenyon e à sua saga Predadores da Noite, que tem a grande vantagem de poder ser lida pela ordem que quiserem. Eu ando a saltar de trás para a frente e da frente para trás, ao sabor do que vou encontrando na estante. O único senão é sabermos que determinados casais estão juntos antes de lermos como se juntaram. Mas, enfim, são romances com finais felizes, tínhamos algumas dúvidas que as coisas iam acabar assim?

Não são o supra sumo dos livros, não são obras de literatura capazes de ganhar um Nobel ou outro prémio do género mas são, sem dúvidas, livros a ler pelos fãs de romance, do paranormal e fantasia, mitologia e realidade e até para quem gosta de erotismo em medidas certas (e relembro que nem todos os escritores conseguem que os seus livros sejam eróticos sem roçar a pornografia ou, ainda pior, a pornochachada).

Prazer da Noite é aquele livro que, apesar de sabermos que é tudo mentira - é fantasia, certo? em todos os aspectos! - conseguimos sentir a angustia das personagens, a dor da traição e da tortura. É desta matéria que se fazem bons livros e bons autores. Mas não só. Sherrilyn Kenyon não se limita a debitar factos. Conta-nos uma história, várias histórias em simultâneo, explica-nos com funciona o mundo que criou, mas de uma forma de tal modo discreta que vamos percebendo as suas regras sem que nos apercebamos.

Porque, no fim, só nos apercebemos, já acabamos o livro e está na altura de escolhermos o próximo.

Leia aqui as primeiras páginas

Classificação: 

May we meet again

Conheces o meu blog generalista?

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

e

Não se esqueçam de nomear os vossos blogues favoritos para os Sapos do Ano 2018

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Outubro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Comentários recentes

  • Magda L Pais

    Tens de ler estes. São tão mas tão bons

  • Happy

    Eu li os Pilares, mas fiquei-me por aí. Gostei bas...

  • neuza

    ok,ok,é uma pena,esperemos então que saiam os outr...

  • Magda L Pais

    em Portugal por enquanto só saiu este

  • neuza

    Ok,parece ser um livro interessante,quais são os l...