Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Uma paixão chamada livros 3/40

por Magda L Pais, em 03.02.16

12463540_10153107970217202_1832468150_n.jpg

Ao terceiro dia deste desafio, acontece-me ter a primeira repetição. O que faz sentido atendendo a que é suposto responder que Livro que leste mais vezes.

Na verdade, creio até que, quem tiver lido o meu primeiro post deste desafio saberá a resposta porque, no meio dos meus livros favoritos estão os livros que li mais vezes. E livros, assim, no plural, porque se trata duma saga. Falo, é claro, d'As Brumas de Avalon - Marion Zimmer Bradley

_____________________________________

Por quarenta dias, eu, M*The Daily MiacisMulaMiss FMarcianoAlexandraJPDrama QueenFatia MorCMNathyMJJustAna Rita Garcia M.TeaCarla B.Neurótika WebbNoqeCaracol e Morena partilhamos a nossa paixão pela leitura e pelos livros. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

De Neurótika Webb a 03.02.2016 às 16:05

Tenho lá isso e nunca li....ahahahaha

De Magda L Pais a 03.02.2016 às 16:20

tás a brincar?

De Neurótika Webb a 03.02.2016 às 16:45

Não estou não.
Eu tenho uma resistência estúpida às modas...daí ter andado uns bons 5 anos até me convencer a mim própria a ler O Perfume.

De Magda L Pais a 03.02.2016 às 17:00

mas...
mas...
mas...
estes livros foram editados em 1970....

De Neurótika Webb a 03.02.2016 às 17:22

A minha mãe era directora financeira de uma distribuidora de revistas, que também tinha uma editora. A Minerva. Portanto, livros foi coisa que nunca me faltou. Normalmente faziam parte das minhas prendas de Natal pilhas de livros. 
Entre os quais tenho esses. 
Mas para não ficares triste comigo, nunca peguei nos do Paulo Coelho nem da Isabel Allende...continuam na pilha dos "adiados".

De Magda L Pais a 03.02.2016 às 23:15

que Paulo Coelho esteja nos adiados... eu até entendo. Agora as Brumas e Isabel Allende???

De Neurótika Webb a 04.02.2016 às 10:16

Vou-te confessar uma coisinha...comecei, há uns anos atrás, a lera Filha da Fortuna e aquilo começou a aborrecer-me de morte.
Mas também não percebi porque é que os 100 Anos de Solidão deram um Nobel. Foi porquê? Porque no meio de uma narrativa perfeitamente normal ele insere, sem se perceber bem porquê um elemento sobrenatural? Achei aquilo tão absurdo.
Já o Mário Vargas Llosa, percebo perfeitamente, adoro os livros dele.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

calendário

Fevereiro 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829